quarta-feira, junho 19, 2024

Miguel Rabello lança ‘Ciclo de poder’, o seu segundo álbum solo

Miguel Rabello – cantor, compositor e violonista, lançou em 6 de abril o seu segundo álbum solo e o quarto de sua carreira, Ciclo de Poder.
.
Em novembro de 2022, quando entrou em estúdio para gravar o álbum “Ciclo de poder”, Miguel escreve as seguintes linhas em suas páginas na rede “Em estúdio para gravar disco novo de minha parceria com Roberto Didio, repertório construído com o esmero pelo qual nos alumbra a música brasileira. Produzo o disco com o parceiro, assino arranjo, canto e toco as canções que fizemos. Trabalho muito especial para a gente, músicas escolhidas a dedo, com viva confluência de gêneros e em contexto único…”

Miguel Rabello Bastos – cantor, compositor e violonista, lança na quinta-feira, 6 de abril, seu segundo álbum solo e o quarto de sua carreira. O disco traz onze canções construídas em parceria com o poeta/letrista Roberto Didio. O álbum já está disponível nas plataformas musicais e também em CD, o disco físico saiu pela gravadora Acari Records, Rio de Janeiro/RJ.
.
Miguel toca violão em todas as faixas e dá voz à maioria das músicas. O artista, ainda, nos brinda com várias participações especiais, Pedro Franco (em Ciclo de poder), Cristovão Bastos (na Canção fora de moda e Rumo Zona Sul), Aquiles Moraes (em Bancarrota fox), Breno Ruiz (em Mal-estar), Alice Passos (na Ciranda carioca), Sérgio Santos (em Outra manhã de carnaval) e Renato Braz (em Vingança das Iabás).

Leiam o belo e sensível texto de Hugo Sukman que está na apresentação do disco e se prepare para ouvir as músicas. Boa travessia!
.
Parece um quadro, Bosch pintando
E escrevo esses versos de Roberto Didio sobre a ciranda de Miguel Rabello assim mesmo, sem aspas e transcrevendo-os em prosa, porque sou eu mesmo que o digo, não mais eles: “Ciclo de poder”, este quarto álbum do compositor Miguel Rabello, desta vez exclusivamente com letras de Roberto Didio, é sim como um quadro. E como os quadros de Hieronymus Bosch: seja na rica paleta de cores, a profusão de gêneros e procedimentos (musicais), a qualidade propriamente dita das composições de Miguel; ou na descrição de horrores, de personagens, dramas psicológicos e sociais como um painel do nosso tempo em que (como nos quadros) o realismo das letras soa como uma espécie de surrealismo trágico. Como Bosch via no fim do seu medievo a iminência do Apocalipse, sem nenhuma aproximação caricata com uma visão marxista da arte Miguel e Didio descrevem em forma de um painel fascinante de canções (o tal quadro!) a distopia gerada pelo colapso de um capitalismo periférico, derretendo-se em violência, angústia, marginalização da arte e das pessoas; revolta. E também força estética, beleza até.

“Parece um quadro/Bosch pintando”, transcrevo agora como foi escrito originalmente, são versos da “Ciranda do Juízo Final”, uma peça que revela a ambição e dimensão da música de Miguel Rabello. De cara, já se nota ser uma ciranda subversiva por não se ambientar na praia nem tratar de mar. Continua sua subversão ao dar densidade harmônica ao em geral levíssimo gênero praiano e seguir um inusitado caminho melódico. Por fim, bem na tradição modernista brasileira, há o arranjo camerístico, escrito pelo próprio compositor, flauta, oboé, clarinete, contrabaixo de arco, cada instrumento fazendo seu caminho sobre a base harmônica de seu violão e a base rítmica dramática do cajon emoldurando o tal Juízo Final proposto pela letra (e vivido no cotidiano por tanta gente marginalizada no Brasil e no mundo em decomposição): uma invasão policial contra “alvos retintos” (que imagem de Didio!), um diálogo com a morte ainda mais melancólico, violento e direto do que o de Bergman“A morte vem, já pressinto/Xadrez não joga”.
.
Com o mesmo espírito e instrumentação há outra ciranda no álbum, a “Ciranda carioca”, ainda mais densa em harmonia e melodia. Mas que ao contrário da outra que é ambientada numa (não dita) mítica favela da Zona Norte, esta invade a Zona Sul e, como uma boa ciranda, é dançada à beira mar – “São esfinges com olhos azuis/Nas areias de São Conrado” – num caldo de beleza e revolta igualmente boschiano, “o sol ricocheteando” “na cidade perdida” (alcunha ainda mais dura que a buarquiana “cidade submersa” e fenda mais profunda que a da “cidade partida”). Ou como se Bosch visse o Rio contemporâneo, (anti) exaltando-o.

O próprio Miguel canta, com seu timbre personalíssimo e voz segura, a “Ciranda do Juízo Final”, enquanto a “Ciranda carioca” é interpretada pela também muito jovem Alice Passos. Hoje a cantora mais atenta ao novo, ainda que também grande pesquisadora da tradição musical brasileira, uns quatro anos antes deste álbum Alice participou, como intérprete ao lado deles, de um show que surpreendeu a quem viu por reunir os dois mais interessantes jovens compositores do Rio e de São Paulo respectivamente, Miguel Rabello e Breno Ruiz. Não é, portanto, nenhuma coincidência que a voz de Breno Ruiz e seu piano estejam na gravação de outra canção paradigmática deste álbum, “Mal-estar”, música sofisticadíssima e letra autoexplicativa, com imagens não menos boschianas do mundo como “um jardim obscuro” e de seus habitantes com “dragões e serpentes/guerreando na mente”.
.
Aliás, como muitos quadros pintados entre a Idade Média e o Renascimento, “Ciclo de poder”, sendo quadro, é um tríptico. Justamente “Mal-estar” encerra uma primeira parte mais, digamos, existencial e propriamente distópica do álbum. O maracatu “Ciclo de poder”, com a solenidade dos maracatus, a inicia, e dá um aviso importante ao mundo e a este disco: “Não vai ter canção de amor/Fim da civilização”. (E aqui se abre um importante parênteses, Miguel e Didio têm canções de amor às dezenas, lindas, já gravadas e ainda a gravar, mas abriram mão de todas elas em nome deste álbum-quadro aqui, que não poderia se permitir a tais lirismos num momento como este. Este disco, à parte sua ambição, é um recorte do trabalho artesanal de dois jovens compositores, o carioca Miguel e o paulista Didio, amalgamando música e letra em uma parceria clássica, hoje tão rara. Fecha parênteses).

A linda, moderna e dissonante “Canção fora de moda” prossegue essa parte distópica do álbum, descrevendo a solidão de quem cria fora da lógica padrão (ou, mais ainda, como tantas canções por exemplo de Guinga letradas por Aldir Blanc, é como se Roberto Didio, na letra, descrevesse a música e os sentimentos de Miguel Rabello): “Meu recital/A vanguarda barrou/Me chamam de conservador/E os antigos me acham moderno demais/Meu verso contraventor/Nem se abala”, diz a canção metalinguística, e também no caso da música e da criação artística, sobre um não lugar (que aqui, neste álbum, acha no entanto seu lugar). O irônico “Bancarrota fox” – como o “Bancarrota blues” de Chico e Edu que o inspira – amplia esse não lugar para toda a criação artística e, ainda mais, para o mundo regido por telas e redes pseudo sociais. E a “Ciranda do Juízo Final” como desfecho fatal deste mundo marcado por um novo “Mal-estar” na civilização.
.
A segunda parte do tríptico – mais digamos festiva como os ritmos brasileiros que aborda nas canções – é a Quadrilogia Rio-Brasil, sobre a importância da arte e da Cultura, mesmo marginalizadas, numa cidade, num país e mundo como descritos na primeira parte. A “Suíte Brasil” é, em letra e música, a celebração dos ritmos brasileiros de rua, citando 20 deles e concluindo certeiro: “Vou cantar, colorir, misturar/ Reunir, provocar/ Arte é que vai nos salvar”.

O samba clássico “Outra manhã de carnaval”, cantado por outra referência da moderna música brasileira, o compositor mineiro Sérgio Santos, e evidentemente dialogando com o quase homônimo de Bonfá e Antônio Maria, comprova o talento de Miguel no gênero principal da música urbana brasileira e a letra, ironicamente, mostra uma personagem mítica do samba, a musa negra Maria, revoltando-se junto com a favela de onde ela e o samba vêm. Faz par com “Rumo Zona Sul”, parceria na música de Miguel com seu pai, o grande Cristovão Bastos, um samba também ao mesmo tempo clássico e subversivo, a Zona Sul do Rio tão exaltada em canções sendo literalmente dominada pelas favelas que cresceram em seus belos morros.
.
A terceira parte do tríptico, e porque ninguém é de ferro, é um encerramento em tom de festa (sem abandonar, no entanto, a riqueza musical, a ironia, a rebeldia). O alegre ijexá “Vingança das Iabás”, interpretado pela voz contemporânea perfeita, a de Renato Braz, parece encerrar o disco dizendo que as mulheres – lideradas por Iemanjá, que chama as outras Iabás para a missão – vão resgatar o mundo sensível de tantas mazelas descritas pelas canções anteriores. A marcha-rancho “Quimera de São Jorge”, apelando para outra figura mítica da cultura popular brasileira, também busca essa mesma redenção pela música, pela religiosidade popular, pelo Brasil como só ele para salvar o Brasil – e não deixa de ser curioso que um disco quase que inteiramente distópico termine com uma canção que proponha uma quimera (e talvez já refletindo as mudanças de expectativa no Brasil na virada de 2022 para 2023).
.
Pouco tempo atrás, Dori Caymmi me disse que “Miguel Rabello sou eu com vinte e poucos anos”. Fiquei intrigado com a afirmação. Depois deste trabalho tão denso, variado e corajoso, do painel que nos oferece do mundo de hoje, entendo o que quis dizer o Dori, como finalmente vendo alguém pegar o bastão da grande canção brasileira. Ou, como Miguel canta as palavras de Didio em “Outra manhã de carnaval”: “Mas o povo promete revidar/E a bandeira tremular/Nos braços da nova geração”.
– Hugo Sukman, fevereiro de 2023.

revistaprosaversoearte.com - Miguel Rabello lança 'Ciclo de poder', o seu segundo álbum soloCapa do álbum ‘CICLO DE PODER • Miguel Bastos • Acari Records • 2023
.
Disco ‘CICLO DE PODER‘ • Miguel Bastos • Acari Records • 2023
Canções:
1. Ciclo de poder (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Pedro Franco
2. Canção fora de moda (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Cristovão Bastos
3. Bancarrota fox (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Aquiles Moraes
4. Ciranda do juízo final (Miguel Rabello e Roberto Didio)
5. Mal-estar (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Breno Ruiz
6. Suíte Brasil (Miguel Rabello e Roberto Didio)
7. Ciranda carioca (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Alice Passos
8. Outra manhã de carnaval (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Sérgio Santos
9. Rumo Zona Sul (Miguel Rabello, Cristovão Bastos e Roberto Didio) | Participação especial: Cristovão Bastos
10. Vingança das Iabás (Miguel Rabello e Roberto Didio) | Participação especial: Renato Braz
11. Quimera de São Jorge (Miguel Rabello e Roberto Didio)
– ficha técnica –
Miguel Rabello (violão – fx. 1-11; voz – fx. 1, 2, 3, 4, 6, 9, 11; 2ª voz – fx. 10) | Marcus Thadeu (caixa – fx. 1, 11; alfaia – fx. 1; xequerê – fx. 1, 2, 11; agogô – fx. 1, 10; cowbell – fx. 1; moringa – fx. 2; caixa de fósforos – fx. 3; garrafa – fx. 3; block – fx. 3, 10; cajon – fx. 4; xequerê com escovas – fx. 6; conga – fx. 6, 10; caxixi – fx. 6, 7; cowbell – fx. 6; prato – fx. 6; caixa com escovas – fx. 7; caixa do divino – fx. 7, 10; ganzá – fx. 8, 9, 10, 11; surdo – fx. 8, 9; tamborins – fx. 8, 9; cuíca – fx. 8, 9; repique de anel – fx. 9; pandeiro – fx. 10; triângulo – fx. 10; efeitos – fx. 10; djembê – fx. 11; clave – fx. 11) | João Rafael (contrabaixo – fx. 4, 7) | Ana Rabello (cavaquinho – fx. 8) | Sofia Seccato (flauta – fx. 4, 7) | Rui Alvim (clarinete – fx. 4, 7, 11) | Janaína Perotto (oboé – fx. 4, 7) | Aquiles Moraes (flugelhorn – fx. 11) || Coro (fx. 1, 8 e 11): Alice Passos, Breno Ruiz, Guilherme Neves, Renato Braz / Miguel Rabello (fx. 8) || Participação especial: Pedro Franco (guitarra – fx. 1); Cristovão Bastos (piano – fx. 2, 9); Aquiles Moraes (trompete [surdina] – fx. 3); Breno Ruiz (voz e piano – fx. 5); Alice Passos (voz – fx. 7); Sérgio Santos (voz, contracanto – fx. 8); Renato Braz (voz e moringa – fx. 10) || Direção artística e musical: Miguel Rabello e Roberto Didio | Arranjos: Miguel Rabello | Concepção rítmica: Marcus Thadeu | Técnico de gravação, mixagem e masterização: Alexandre Hang | ♩Gravado em novembro e dezembro de 2022, no Auditório Radamés Gnatalli – Casa do Choro / Gravações complementares: Estúdio Raphael Rabello – Casa do Choro – Rio de Janeiro/RJ | Faixa 9 – voz, no Estúdio Motor, Belo Horizonte/MG | Projeto gráfico: Douglas Germano | Selo: Acari Records | Catalogo: AR093 | Ano: 2023 | Formato: CD / Digital | Lançamento: 6 de abril | Ouça o álbum: clique aqui!

 

revistaprosaversoearte.com - Miguel Rabello lança 'Ciclo de poder', o seu segundo álbum solo
Miguel Rabello Bastos

SHOW DE LANÇAMENTO DO ÁLBUM ‘CICLO DE PODER’
11 de maio (2023) | quinta-feira | às 19h | Auditório Radamés Gnatalli  / Casa do Choro – Rio de Janeiro/RJ
Miguel Rabello lança o disco “Ciclo de poder”, que traz 11 canções inéditas de variados gêneros do cancioneiro em parceria com o letrista Roberto Didio. Este é o quarto álbum da carreira do artista, sucedendo “Meia volta” (com Luísa Lacerda, 2017), “Diferente” (com Breno Ruiz, 2019) e “Na caravana de fazer canções” (2021). O álbum, lançamento da gravadora Acari Records, conta com as participações especiais de Cristovão Bastos, Pedro Franco, Aquiles Moraes, Sérgio Santos, Breno Ruiz, Renato Braz e Alice Passos. No palco com Miguel, Aquiles Moraes no trompete, Magno Júlio e Marcus Thadeu na percussão. Participações especiais de Cristovão Bastos no piano, Renato Braz voz, percussão e coro, Breno Ruiz no piano, voz e coro, Guilherme Neves no coro e Ana Rabello no cavaquinho. Nas palavras do jornalista Hugo Sukman, no álbum “Miguel e Didio descrevem em forma de um painel fascinante de canções a distopia gerada pelo colapso de um capitalismo periférico, derretendo-se em violência, angústia, marginalização da arte e das pessoas; revolta. E também força estética, beleza até.”

 

revistaprosaversoearte.com - Miguel Rabello lança 'Ciclo de poder', o seu segundo álbum solo
Miguel Rabello Bastos – foto ©Amandha Rios

Sobre os compositores: 

Miguel Rabello Bastos – violonista, compositor e cantor. É monitor de violão nos cursos de canto da Escola Portátil e da Casa do Choro – Rio de Janeiro/RJ. Fez aulas de violão com os professores Glauber Seixas; na Escola Portátil de Música com Maurício Carrilho e Paulo Aragão; e, posteriormente, com Vicente Paschoal.
.
Filho do compositor, pianista e arranjador Cristovão Bastos (1946) e da cantora Amelia Rabello (1955). E sobrinho do violonista Raphael Rabello (1962–1995) e da cavaquinista e compositora Luciana Rabello (1961).
.
Entrou na cena musical, em 2015, se apresentando com Luísa Lacerda, divulgando suas músicas, esse trabalho, resultou no primeiro álbum da dupla em 2017, Meia volta.
.
Miguel já tem na bagagem mais de 100 músicas autorais. Entre os seus parceiros, estão, Paulo César Pinheiro, Roberto Didio, Breno Ruiz, André Lacerda e Cristovão Bastos. As suas composições já foram interpretadas por cantores, como Renato Braz, Amelia Rabello, Áurea Martins, Gabriel Cavalcante, Ilessi, Luciana Menezes, Gabriela Kozyra, Anabela, Alice Passos e Nina Wirtti, entre outros.
.
Na sua discografia estão os álbuns:
:: Meia volta • Miguel Rabello e Luísa Lacerda • Acari Records • 2017
:: Diferente • Miguel Rabello e Breno Ruiz • Acari Records • 2019
:: Na caravana de fazer canções • Miguel Rabello • Acari Records • 2021
:: Ciclo de poder • Miguel Rabello • Acari Records • 2023.
* Miguel Rabello na rede: Youtube | Instagram | Facebook | Spotify | Apple Music.

.
revistaprosaversoearte.com - Miguel Rabello lança 'Ciclo de poder', o seu segundo álbum solo Roberto Didio – foto ©Ana Rabello
.
Roberto Didio – poeta e compositor (letrista), nasceu na Zona Leste de São Paulo, em junho de 1975, atualmente, reside no Rio de Janeiro. Entre os seus parceiros, figuram nomes, como: Moacyr Luz, Cristovão Bastos, Breno Ruiz, Miguel Rabello, Dori Caymmi, Ivor Lancellotti, Maurício Carrilho, Marcelo Menezes, Renato Martins, Gabi Buarque, Gabriel Cavalcante, Vidal Assis, Douglas Germano, Mario Gil, entre outros.
.
Tem sido cantado ou gravado por vozes como as de Renato Braz, Amelia Rabello, Mônica Salmaso, Leila Pinheiro, Áurea Martins, Adriana Moreira, Mariana Nunes, Alice Passos, além dos parceiros.
.
Moacyr Luz,  cutuca o compositor, “Meu parceiro Roberto Didio é um poeta, um letrista que o tempo vai consagrar como um dos maiores do Brasil. Talvez ele tenha preferido ficar escondido esse tempo todo, mas agora com a obra sendo exposta da maneira que está, sendo reconhecida, vai ter que mostrar pra gente o rosto também, porque a poesia já é definitiva.” 
.
Série: Discografia da Música Brasileira / MPB / Canção.
* Publicado por ©Elfi Kürten Fenske


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES