What Happened, Miss Simone? - direção: Liz Garbus (2015)

O cinema mundial tem diretoras marcantes, porém nem tão lembradas ou citadas pela importância de sua trajetória ou a importância que deveriam ter nas memórias das pessoas.

Apesar dos avanços das últimas décadas em termos de equiparação de gêneros, o setor audiovisual ainda é majoritariamente masculino e branco, não só no Brasil, mas no mundo inteiro.

Uma pesquisa da San Diego State University analisou 1.036 filmes exibidos em 23 festivais americanos em 2015 e 2016. As mulheres representaram 28% dos diretores, com presença bem maior no documentário (35%) do que na ficção (19%).

No Brasil não é diferente, a desigualdade de gênero nos bastidores do cinema nacional revelaram que, em 2015, dos 2606 produtos audiovisuais que foram certificados pela categoria, apenas 19% são dirigidos por mulheres e 23% tiveram uma mulher como roteirista. (Dados divulgados pela Ancine – Agência Nacional de Cinema).

É importantíssimo que estas mulheres diretoras tenham visibilidade. Assim selecionamos 13 documentários e filmes incríveis dirigidos por mulheres para você ver no Netflix:

1. What Happened, Miss Simone?
[EUA, 2015]
Indicado ao Oscar de melhor documentário em 2016, o filme da diretora Liz Garbus narra a trajetória da cantora americana Nina Simone (1933-2003) . Contando com raro material de arquivo, além de entrevistas com familiares e amigos, a cineasta mostra a vida, a obra e a militância de Simone pelos direitos dos negros.

What Happened, Miss Simone? – direção: Liz Garbus (2015)

2. Beyoncé: Life Is But a Dream
[EUA, 2013]
Um olhar intimista sobre a vida da cantora Beyoncé, em um documentário dirigido por ela mesma, em parceria com Ed Burke. O filme combina imagens de câmeras profissionais, trechos de apresentações e vídeos feitos pela própria cantora no computador, acompanhando-a durante a gravidez da primeira filha, Blue Ivy.

Beyoncé: Life Is But a Dream – direção: Beyoncé, Ed Burke, Ilan Y. Benatar (2013)

3. Hello, I Am David!
[Alemanha/Áustria/Suécia, 2015]
A diretora Cosima Lange acompanha o cotidiano de David Helfgott, pianista australiano que inspirou o filme Shine – Brilhante (1996). Artista prodígio, foi diagnosticado com transtorno esquizoafetivo, condição que inclui sintomas de esquizofrenia e transtorno de humor. Apesar das dificuldades, Helfgott desenvolveu carreira de sucesso.

Hello, I Am David! – direção Cosima Lange (2015)

4. Miss Sharon Jones!
[EUA, 2015]
A cantora Sharon Jones (1956-2016) é tema do documentário dirigido por Barbara Kopple, ganhadora do Oscar por Harlan County: Tragédia Americana (1976) e American Dream (1990). O filme acompanha a artista durante sua batalha contra o câncer, em 2013, e a preparação para o lançamento do álbum Give The People What They Want.

Miss Sharon Jones! – direção: Barbara Kopple (2015)

5. Maya Angelou, e Ainda Resisto
[Maya Angelou and Still I Rise, EUA, 2016]
Documentário sobre a escritora, poeta, atriz e diretora americana Maya Angelou (1928-2014). Autora de obras como I Know Why the Caged Birds Sing (1969), ela sobreviveu a um abuso sexual e enfrentou o racismo para se tornar uma influente artista e ativista pelos direitos civis nos Estados Unidos. Dirigido pelos cineastas Rita Coburn Whack e Bob Hercules.

Maya Angelou, e Ainda Resisto – direção: Rita Coburn Whack, Bob Hercules (2016)

6. Nascidos em Bordéis
[Born Into Brothels, EUA, 2004]
Ganhador do Oscar de melhor documentário em 2005, o filme retrata a vida de crianças nascidas numa região de prostituição em Calcutá, na Índia. Os cineastas Zana Briski e Ross Kauffman mostram o relacionamento que criaram com as crianças durante aulas de fotografia e os esforços para tentar assegurar seu direito à educação.

Nascidos em Bordéis (Born into Brothels: Calcutta’s Red Light Kids) – direção: Zana Briski, Ross Kauffman (2004)

7. She’s Beautiful When She’s Angry
[EUA, 2014]
A diretora Mary Dore lança um olhar sobre o movimento feminista que abalou os Estados Unidos no fim da década de 1960. Além de documentar os principais acontecimentos do período, o filme também entrevista integrantes de diferentes grupos ligados à defesa dos direitos das mulheres, mostrando as variadas linhas de atuação.

She’s Beautiful When She’s Angry – direção: Mary Dore (2014)

8. E-Team
[EUA, 2014]
Dedicada à defesa dos direitos humanos, a organização Human Rights Watch mantém equipes de emergência conhecidas como E-Teams, cuja missão é visitar zonas de conflito para investigar crimes de guerra. Neste documentário, os cineastas Katy Chevigny e Ross Kauffman acompanham o arriscado trabalho desses ativistas em diferentes países.

E-Team – direção: Ross Kauffman, Katy Chevigny (2014)

9. Quanto Tempo o Tempo Tem
[Brasil, 2015]
A diretora brasileira Adriana L. Dutra faz uma reflexão sobre a passagem do tempo e sobre a pressa que é uma das marcas registradas do mundo contemporâneo. Neste documentário, especialistas explicam como o conceito de tempo é encarado por diferentes civilizações e porque tantas pessoas parecem nunca ter tempo suficiente.

Quanto Tempo o Tempo Tem – direção: Adriana Dutra (2015)

10. Laerte-se
[Brasil, 2017]
As diretoras Lygia Barbosa da Silva e Eliane Brum fazem um perfil de Laerte Coutinho, uma das mais importantes cartunistas do Brasil, que desde 2009 identifica-se como transgênero. O documentário “acompanha a investigação de Laerte sobre o mundo feminino” e aborda sua relação com amigos e familiares, suas posições políticas e seus personagens.

Laerte-se – direção: Lygia Barbosa da Silva, Eliane Brum (2017)

11. Lore
[Alemanha/Austrália/Reino Unido, 2012]
Logo após o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a adolescente Lore (Saskia Rosendahl) se vê obrigada a guiar seus quatro irmãos mais novos pelo arrasado território alemão. Durante essa perigosa jornada, ela descobrirá mais sobre a atividade política de seus pais e terá de unir forças com um refugiado misterioso, a quem foi ensinada a odiar. Dirigido pela cineasta Cate Shortland.

Lore – direção: Cate Shortland (2012)

12. Selma – Uma Luta Pela Igualdade
[Selma, Reino Unido/EUA, 2014]
Indicado ao Oscar de melhor filme, narra a histórica marcha realizada em 1965 entre as cidades de Selma e Montgomery, no estado americano do Alabama. Liderada por Martin Luther King (numa excelente interpretação de David Oyelowo), a marcha exigiu o reconhecimento do direito da população negra ao voto. Dirigido pela cineasta Ava DuVernay, de A 13ª Emenda.

Selma – Uma Luta Pela Igualdade – direção: Ava DuVernay (2014)

13. Daughters of the Dust
[Reino Unido/EUA, 1991]
Ambientado em 1902, conta a história de três gerações de mulheres que fazem parte de uma comunidade Gullah (descendentes de escravos africanos nas ilhas marítimas da Carolina do Sul e da Geórgia). O longa-metragem da cineasta Julie Dash foi o primeiro dirigido por uma mulher negra americana a ser distribuído nos cinemas dos Estados Unidos..

Daughters of the Dust – direção: Julie Dash (1991)

Fonte: Netflix / com Mulher no Cinema

Veja outros filmes – Netflix:
:: 9 filmes incríveis escondidos na Netflix
:: 5 filmes no Netflix que retratam a importância da Educação
:: 10 filmes de ficção científica e fantasia no Netflix 
:: 28 filmes incríveis que você tem que assistir no Netflix

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS