NESTA SEMANA NA SALA SÃO PAULO: OSESP COM THIERRY FISCHER E PIANISTA STEPHEN HOUGH, E RECITAL DO NOVO QUINTETO OSESP.  (29/jun a 2/jul)
.
Novamente com Fischer, Orquestra apresenta ‘Concerto nº 2 para Piano’ de Rachmaninov com britânico Stephen Hough; já o Quinteto Osesp, que é formado por mulheres, convida clarinetista Alexandre Ribeiro para recital no domingo (2/jul).
.
Dando continuidade à Temporada 2023 – Sem Fronteiras, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp se apresenta na Sala São Paulo na quinta (29/jun) e sexta-feira (30/jun) novamente sob a batuta de seu Diretor Musical e Regente Titular, Thierry Fischer – e no sábado, 1º/jul, eles fazem o concerto de abertura do 53º Festival de Inverno de Campos do Jordão, no Auditório Claudio Santoro. O programa traz a Quarta Sinfonia do finlandês Jean Sibelius, e o adorado Concerto nº 2 para Piano de Sergei Rachmaninov, este com o britânico Stephen Hough como solista.

No domingo (2/jul), quem sobe ao nosso palco é o novíssimo Quinteto Osesp, em ano sabático do Quarteto Osesp. Em seu segundo recital da Temporada, o grupo formado por musicistas da Orquestra apresenta um repertório com obras de Joseph Kosma, Mozart (seu Quinteto nº 4) e Pixinguinha. Vale lembrar que as performances de sexta-feira, às 20h30, e domingo, às 18h, serão transmitidas ao vivo no canal oficial da Osesp no YouTube.
.
Com quatro movimentos interconectados, criando uma narrativa fluida e pessoal, em que o trítono (o antigo “diabo na música”) permeia todos os movimentos e tece uma espécie de fio condutor, a Sinfonia nº 4, do finlandês Jean Sibelius (1865-1957), foi completada em 1911. Passeia entre o expressionismo duro e a alegria espontânea, daquele tipo que nos preenche involuntariamente quando estamos diante de uma paisagem natural deslumbrante. A obra foi recebida com relativa frieza pelo público e até pelos críticos, ainda que alguns já vislumbrassem nela as qualidades que acabariam por estabelecê-la como uma das mais importantes do compositor e um verdadeiro marco da modernidade. Era diferente de tudo o que se conhecia até então, introspectiva, despida da grandiosidade comumente associada a obras sinfônicas e sugestiva de uma atmosfera estranha, às vezes perturbadora, e sem quaisquer artificialismos.

O que mais chama a atenção no Concerto nº 2 para Piano, do russo Sergei Rachmaninov (1873-1943) – sem dúvida uma das razões de sua popularidade – é a sua aparente naturalidade, a sensação de ter sido escrita de um jato só, sem esforço, sem sofrimento. O Concerto é repleto de melodias memoráveis, que se tornaram velhas conhecidas de todos os amantes da música clássica. Talvez em uma sutil referência aos ricos diálogos que tinha com seu psiquiatra, Nikolai Dahl, o piano aqui não é posto em relevo absoluto, mas frequentemente acompanha solos dos outros instrumentos, numa conversa de igual para igual. Apesar de tecnicamente desafiadora, a música flui com facilidade e remete a momentos de plenitude na vida do compositor.

revistaprosaversoearte.com - Orquestra Osesp com o pianista Stephen Hough, e o Quinteto Osesp com o clarinetista Alexandre Ribeiro
Orquestra OSESP – foto: Beatriz de Paula

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp
Fundada em 1954, desde 2005 é administrada pela Fundação Osesp. Thierry Fischer tornou-se Diretor Musical e Regente Titular em 2020, tendo sido precedido, de 2012 a 2019, por Marin Alsop, que agora é Regente de Honra. Seus antecessores foram Yan Pascal Tortelier, John Neschling, Eleazar de Carvalho, Bruno Roccella e Souza Lima. Em 2016, a Orquestra esteve nos principais festivais da Europa e, em 2019, realizou turnê na China. Em 2018, a gravação das Sinfonias de Villa-Lobos, regidas por Isaac Karabtchevsky, recebeu o Grande Prêmio da Revista Concerto e o Prêmio da Música Brasileira. Em outubro de 2022, a Osesp estreou no Carnegie Hall, em Nova York, realizando dois programas – o primeiro como convidada da série oficial de assinaturas da casa, o segundo com o elogiado projeto Floresta Villa-Lobos.

revistaprosaversoearte.com - Orquestra Osesp com o pianista Stephen Hough, e o Quinteto Osesp com o clarinetista Alexandre Ribeiro
Quinteto OSESP – foto: Beatriz de Paula.

Quinteto Osesp
Em ano sabático do Quarteto Osesp, a música de câmara continua viva com o novo Quinteto Osesp, formado pelas violinistas Amanda Martins e Sung Eun Cho, pelas violistas Maria Angélica Cameron e Sarah Nascimento, e pela violoncelista Jin Joo Doh, todas elas integrantes da Osesp. Ao longo de 2023 serão cinco concertos com obras de Mozart, Brahms, Dvorák, Mahler e Schubert nos programas, alguns com convidados. O Quinteto faz uma homenagem a um dos maiores músicos brasileiros com a Suíte Pixinguinha, arranjo encomendado ao clarinetista Alexandre Ribeiro, que também estará no palco – neste ano, lembramos dos 50 anos de morte de Pixinguinha. Celebrando o centenário de György Ligeti, ouviremos seu Quarteto de Cordas nº 2. Ainda em ritmo de comemoração, o Quinteto faz a estreia mundial de uma obra encomendada ao octogenário compositor brasileiro Aylton Escobar, com participação do tenor Jabez Lima.

Thierry Fischer
Desde 2020, o suíço Thierry Fischer é Diretor Musical e Regente Titular da Osesp, cargo que também assume na Orquestra Sinfônica de Castilla y León, na Espanha. Desde 2009, é Diretor Artístico da Sinfônica de Utah, da qual se tornará Diretor Artístico Emérito a partir do segundo semestre de 2023. Foi Principal Regente Convidado da Filarmônica de Seul (2017-20) e Regente Titular (agora Convidado Honorário) da Filarmônica de Nagoya (2008-11). Já regeu orquestras como a Royal Philharmonic, a Filarmônica de Londres, as Sinfônicas da BBC, de Boston e Cincinnatti e a Orchestre de la Suisse Romande. Também esteve à frente de grupos como a Orquestra de Câmara da Europa, a London Sinfonietta e o Ensemble Intercontemporain. Thierry Fischer iniciou a carreira como Primeira Flauta em Hamburgo e na Ópera de Zurique.
.
Stephen Hough
Nomeado pelo The Economist como um dos Vinte Polímatas Vivos, o britânico Sir Stephen Hough combina uma notável carreira como pianista com a de compositor e escritor. Em 2010, foi eleito melhor instrumentista do ano pela Royal Philharmonic Society. É autor de diversos textos sobre música, publicados nos jornais The Times, The Guardian, The Independent e The Telegraph. Por sua visão artística e também por seus escritos, recebeu a prestigiosa MacArthur Fellowship, em 2001. Com mais de 70 álbuns gravados, já acumulou vários prêmios Diapason d’Or, Grammy e Gramophone e lançou o elogiado aplicativo para iPad The Liszt Sonata (Touch Press, 2013). Nomeado Commander of the Order of the British Empire em 2014, foi agraciado em 2022 com o título de Cavaleiro pela Rainha Elizabeth II. É professor visitante na Royal Academy of Music, em Londres, e professor na Juilliard School, em Nova York. Como Artista em Residência da Temporada Osesp, Sir Stephen Hough interpreta o ciclo completo de obras concertantes de Rachmaninov para o piano, além de se apresentar em recital solo na Sala São Paulo.
.
Alexandre Ribeiro
Alexandre Ribeiro é herdeiro de grandes nomes do clarinete como Severino Araújo, K-Ximbinho, Luiz Americano, Abel Ferreira, Nailor Azevedo e Paulo Moura. Em 2009, estabeleceu uma forte e bem-sucedida parceria com o violonista Alessandro Penezzi, que resultou em dois discos de bastante destaque no cenário da música instrumental — Cordas ao Vento e Ao Vivo na Bimhuis-Amsterdã —, além de diversos shows pelo Brasil e pelo mundo. Atualmente é professor de clarinete da Emesp Tom Jobim e professor e cofundador da Escola de Choro de São Paulo (ECSP).

revistaprosaversoearte.com - Orquestra Osesp com o pianista Stephen Hough, e o Quinteto Osesp com o clarinetista Alexandre Ribeiro
Sala São Paulo – foto: Tuca Vieira

PROGRAMAS
TEMPORADA OSESP: THIERRY FISCHER E STEPHEN HOUGH
.
ORQUESTRA SINFÔNICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
THIERRY FISCHER 
regente
SIR STEPHEN HOUGH 
piano
Jean SIBELIUS | Sinfonia nº 4 em Lá Menor, Op. 63
Sergei RACHMANINOV | Concerto nº 2 para Piano em Dó Menor, Op. 18

TEMPORADA OSESP: QUINTETO OSESP E ALEXANDRE RIBEIRO
.
QUINTETO OSESP
ALEXANDRE RIBEIRO
 clarinete
Joseph KOSMA | Les Feuilles Mortes [Arranjo de Toru Takemitsu]
Wolfgang Amadeus MOZART | Quinteto de Cordas nº 4 em Sol Menor, KV 516
PIXINGUINHA | Suíte Pixinguinha [Arranjo de Alexandre Ribeiro]

SERVIÇO
29 de junho, quinta, às 20h30
30 de junho, sexta, às 20h30 – Concerto Digital
02 de julho, domingo, às 18h00 [Quinteto Osesp] – Concerto Digital
Endereço: Sala São Paulo | Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos
Taxa de ocupação limite: 1.484 lugares
Recomendação etária: 07 anos
Ingressos: Entre R$ 39,60 e R$ 258,00 [Osesp], e entre R$ 39,60 e R$ 143,00 (preços inteiros)
Bilheteria (INTI): Neste link
(11) 3777-9721, de segunda a sexta, das 12h às 18h.
Cartões de crédito: Visa, Mastercard, American Express e Diners.
Estacionamento: R$ 28,00 (noturno e sábado à tarde) e R$ 16,00 (sábado e domingo de manhã) | 600 vagas; 20 para portadores de necessidades especiais; 33 para idosos.
.
* Estudantes, pessoas acima dos 60 anos, jovens pertencentes a famílias de baixa renda com idade de 15 a 29 anos, pessoas com deficiências e um acompanhante e servidores da educação (servidores do quadro de apoio – funcionários da secretaria e operacionais – e especialistas da Educação – coordenadores pedagógicos, diretores e supervisores – da rede pública, estadual e municipal) têm desconto de 50% nos ingressos para os concertos da Temporada Osesp na Sala São Paulo, mediante comprovação.
.
A Sala São Paulo é um equipamento do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas, gerenciada pela Fundação Osesp, Organização Social da Cultura.







Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar