segunda-feira, julho 22, 2024

Maria Luiza Jobim lança ‘Azul’, o segundo álbum autoral

“Tem o mar que mora na gente. Das emoções. O fundo do mar, que me inspira a compor e nadar. Mas nadar com as marés e não contra elas.” Assim é Azul (ouça aqui), novo álbum de Maria Luiza Jobim que narra o seu retorno ao Rio de Janeiro e o resgate da paixão pelo mar e pela cidade.
.
Essa artista cuja voz surge pela primeira vez gravada em 1994, no disco homônimo do pai, Antônio Brasileiro, teve uma banda de jazz, depois um duo eletrônico, até gravar, em 2018, seu primeiro álbum solo, Casa Branca.
.
“Se Casa Branca é minha origem, Azul é meu presente. É como eu atuo no mundo. O que eu quero e como ando. Voltei para mim depois da maternidade, cura, os apaixonamentos, os encontros e desencontros. A vida é luz e sombra o tempo inteiro”, situa.

E por falar nele, O tempo, composição em parceria com Felipe Fernandes e Lucas Vasconcellos, é o início dessa narrativa, com cara de trilha sonora. Diz a letra: “Veja agora tudo já mudou / E pra mim você é o tempo / Mais do mesmo pode ser tão bom / Se você é esse mesmo”.
.
Arnaldo Antunes e Cezar Mendes assinam ‘O culpado é o cupido’, faixa foco do lançamento e “absolutamente bela”, como define Maria Luiza. A música foi paixão à primeira vista e conta com os graves de Antunes nos vocais e a guitarra de Dadi Carvalho (Novos Baianos, A Cor do Som e Barão Vermelho). A letra é flerte, um jogo de palavras que conquistou a artista. “Me apaixonei e gravamos todos. Diz assim: Estou desacompanhado / Quero ser seu namorado / Mas eu topo só ficar / Só não posso ser amigo / O culpado é o cupido/ Que insiste em me flechar”.
.
Azul “é um disco com músicos dos meus sonhos. Reencontrei o Paulinho Braga, o Jaques Morelenbaum. São os sons que cresci ouvindo.”, afirma a artista. E os encontros continuam com Adriana Calcanhotto. Assistindo a série Minha Música, sobre os processos criativos e a trajetória dessa compositora, Maria Luiza identificou-se com a relação de Adriana com seu pai, também músico, baterista de jazz.

“Escrevi uma carta para ela e uma música anexada sem letra. Meses depois, trabalhando juntas, a resposta veio em forma de letra para a música”, conta Maria Luiza. A letra, aliás, também é uma carta aos pais… Papais, para ser mais exato.
.
Drama é o momento da ironia do álbum, com um som latino, dos mais envolventes. “É um convite bem-humoradoà reflexão sobre os contratos dos afetos, que devem ser olhados e revisitados sempre para manter sua interessância”, define.
.
“Blue e azul no universo das emoções querem dizer coisas opostas. em inglês, é estar triste e em português, ‘tudo azul’ é uma expressão de alegria. Essa dualidade numa mesma palavra traz a ideia de luz e sombra do disco. Azul é a cor mais rara da natureza e a cor dos olhos do meu irmão Paulinho, que partiu enquanto escrevia o disco. Para ele, cantei a música Samba do Soho”, conta Maria Luiza.
.
A última música, Nada Sou Sou aponta para o outro lado do mundo. Gravada em japonês, foi apresentada a Maria Luiza por Lisa Ono durante sua viagem a Tóquio, no ano de 2023. “A melodia e a plasticidade do som das palavras; não entender literalmente o que a letra dizia, me levou para muitos lugares, sons, cores e emoções. É sinestésico. É muito por onde eu gosto de caminhar nas minhas composições. É para onde vou”, conclui.

revistaprosaversoearte.com - Maria Luiza Jobim lança 'Azul', o segundo álbum autoral
Maria Luiza Jobim – foto: ©Zabenzi

Sobre Maria Luiza Jobim
“Comecei muito cedo a compor, antes mesmo de saber o que estava fazendo”, conta Maria Luiza Jobim sobre sua pré-história artística. Filha de Tom e Ana Jobim, aos sete anos, participou, ao lado do pai, do álbum Antonio Brasileiro (que ganhou o Grammy de melhor performance de jazz latino).
.
Em 2006, gravou com Daniel Jobim a versão em português do clássico Wave, tema da novela Páginas da Vida, da Rede Globo. Mas, a música só se tornou um ofício para Maria Luiza, aos 23 anos de idade, quando integrou sua primeira banda, a Baleia, na cena indie jazz carioca.
.
Depois, ao lado de Lucas de Paiva, formou o duo eletrônico Opala, com pegada dançante e um resgate nostálgico da década de 1980.
.
O primeiro álbum solo foi Casa Branca, em 2018. Concebido a partir de memórias, cenas e acontecimentos, as oito músicas tem a marca da suavidade e da delicadeza. A faixa de encerramento,
.
Antonia, foi inspirada no nascimento da sua primeira filha.
A voz e a poesia por trás do Samba de Maria Luiza,encontra em Azul o seu momento e desenha o seu futuro. É um caminho que se une aos outros trabalhos, com a força das melhores referências compondo uma nova identidade artística.

revistaprosaversoearte.com - Maria Luiza Jobim lança 'Azul', o segundo álbum autoral

    Capa do álbum ‘Azul’ • Maria Luiza Jobim • Selo Das Duas • 2023

DISCO ‘AZUL’ • Maria Luiza Jobim • Selo Das Duas • 2023
Canções / compositores
1. O tempo (Felipe Fernandes, Lucas Vasconcellos e Maria Luiza Jobim)
2. Medo bom (Lucas Vasconcellos e Maria Luiza Jobim)
3. Papais (Adriana Calcanhotto e Maria Luiza Jobim) | Participação especial: Adriana Calcanhoto
4. Ostra (Lucas Vasconcellos e Maria Luiza Jobim)
5. Boca de açaí (Maria Luiza Jobim)
6. Drama (Lucas Vasconcellos e Maria Luiza Jobim)
7. O culpado é o cupido (Arnaldo Antunes e Cézar Mendes) | Participação especial: Arnaldo Antunes
8. (Felipe Fernandes e Maria Luiza Jobim)
9. Samba do Soho (Paulo Jobim e Ronaldo Bastos)
10. Nada Sousou (Ryoko Moriyama, Shimabukuro Masaru, Eisho Higa e Hitoschi Uechi) | Participação especial: Lisa Ono
– ficha técnica –
Maria Luiza Jobim (voz – fx. 1-10; violão – fx. 5) | Alberto Continentino (baixo acústico – fx. 1, 2, 3, 6, 7, 10; baixo – fx. 4, 8, 9; sintetizadores – fx. 1; violão – fx. 3, 9; teclado – fx. 4) | Felipe Fernandes (violão – fx. 1; guitarra – fx. 6) | Guilherme Lírio (violão – fx. 2, 10; guitarra – fx. 3, 8) | Lucas Vasconcellos (violão – fx. 4) | Cézar Mendes (violão – fx. 7) | Danilo Andrade (piano – fx. 1, 3, 6, 7, 10; piano elétrico – fx. 2, 6, 8, 9; sintetizador – fx. 2) | Rodrigo Tavares (sintetizador e órgão – fx. 2, 3, 6, 8; piano – fx. 4) | Dadi Carvalho (guitarra – fx. 7) | Daniel Conceição (bateria – fx. 1, 2, 3, 6, 8, 10) | Paulo Braga (bateria – fx. 7, 9) | Bóka Reis (percussão – fx. 2, 3, 4) | Leo Reis (percussão – fx. 3, 8, 9) | Jorge Continentino (flauta – fx. 4; flautas – fx. 9; sax – fx. 6) | Diogo Gomes (trompete – fx. 6) | Felipe Pacheco Ventura (violinos e violas – fx. 2) | Marlon Sette (trombone – fx. 6) | Arthur Dutra (vibrafone – fx. 7) | Jaques Morelenbaum (violoncelo – fx. 10) | Antônio Loureiro (backing vocal – fx. 5) | Roberto Pollo (bateria, percussão, teclados, vibrafone, lap stell – fx. 5) | Jonatham Maia (programação de bateria, percussão, efeitos – fx. 5) | Arthur de Palla (baixo acústico, tres – fx. 5) | Mario Caldato Jr. (assovio, percussão e efeitos – fx. 5) || Participação especial: Adriana Calcanhoto (voz – fx. 3) | Arnaldo Antunes (voz – fx. 7) | Lisa Ono (voz – fx. 10) | Antonia Jobim Figueiredo (fx. 3) || Arranjo de cordas: Felipe Pacheco Ventura (fx. 2) / Arranjo de metais: Diogo Gomes (fx. 6) | Arranjo de flautas: Jorge Continentino (fx. 9) || Produção musical: Alberto Continentino e Maria Luiza Jobim || Produção executiva: Lígia Turi, Caio Mariano e Ana Jobim || – GravaçõesEngenheiros de som: William Luna (fx. 1, 2, 3, 6, 7, 8, 9, 10); Mauro Araújo (fx. 3, 10); Felipe Fernandes (fx. 6, 9); Arthur Luna (fx. 7, 9) / Gravado no Estúdio Cia dos Técnicos – Rio de Janeiro/RJ // registros adicionais – Engenheiro de som: Daniel Silli (fx. 4, 7); (fx. 5) / Gravado Estúdio Boca do Mato – RJ // Jonathan Maia (fx. 5) Roberto Pollo (fx. 5) / Gravado no Estúdio MCJ Studio, Los Angeles e Boca do Mato/RJ // Engenheiro de som: Masaro Hara (fx. 10) / Studio Songs Tokyo || Edição de vozes: Renata Godoy || Mixagem: Dudinha (fx. 1, 2, 3, 6, 7, 8, 9, 10) / Duda Mello (fx.4) || Masterização: Ricardo Garcia (fx. 1, 2, 3, 6, 7, 8, 9, 10) / Duda Mello (fx. 4) / Jonathan Maia (fx. 5) || Afinador piano: Gutemberg Padilha Pereira (fx. 1, 2, 3, 6, 8, 9, 10) | Design gráfico: Omar Salomão | Fotos: Zabenzi | Assessoria de imprensaAccess Mídia | Maquiagem: Fox Goulart | Figurino: Acervo Maria Luiza Jobim | Editora: Das Duas Produções | Selo físico: Biscoito Fino / Sarapuí | Selo digital: The Orchard | Formato: CD físico / Digital | Ano: 2023 | Lançamento: 23 de junho | #* Ouça o álbum: clique aqui.
.
>> Maria Luiza Jobim na rede: Instagram | Facebook | Youtube | Spotify.
.
Série: Discografia da Música Brasileira / MPB / Bossa Nova | Música brasileira.
Publicado por ©Elfi Kürten Fenske


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES