Dona-Ivone-Lara

A cantora e compositora Dona Ivone Lara, morreu aos 97 anos no Rio de Janeiro, na noite desta segunda-feira (16). Segundo a empresária da sambista, ela morreu por insuficiência cardiorrespiratória.

A Rainha do Samba, estava internada, em estado grave, desde a última sexta, no CTI da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, na Zona Sul da cidade. Ela deu entrada na unidade por causa de uma uma infecção renal, com complicações causadas pela idade.

Yvonne Lara da Costa nasceu em 13 de abril de 1921, em Botafogo, na Zona Sul. Ela se formou em Enfermagem, com especialização em terapia ocupacional, e chegou a trabalhar em hospitais psiquiátricos com a Dra. Nise da Silveira. Se aposentou na profissão em 1977, quando passou a se dedicar inteiramente à carreira artística.

Foi criada pelos tios, já que os pais morreram quando tinha três (pai) e 12 anos de idade (mãe). Foi com eles que teve seus primeiros contatos com o mundo da música.

Casou-se com Oscar Costa, presidente da escola de samba Prazer da Serrinha. Com ele, teve dois filhos, Alfredo e Odir. Foi na Prazer da Serrinha onde conheceu alguns compositores que viriam a ser seus parceiros musicais, como Mano Décio da Viola e Silas de Oliveira

Compôs o samba “Nasci Para Sofrer”, que se tornou o hino da Império Serrano em 1947, escola onde desfilou na ala das baianas.

A consagração veio em 1965, com “Os Cinco Bailes da História do Rio”. Foi quando se tornou a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores de uma escola de samba.

Em 2012, foi homenageada pela escola de coração, com o enredo “Dona Ivone Lara: O enredo do meu samba”.

Suas músicas foram gravadas por vários ícones da música brasileira, dentre eles, Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paula Toller, Paulinho da Viola, Beth Carvalho, Mariene de Castro, Roberta Sá, Marisa Monte e Dorina.

Alguns de seus grandes sucessos são “Sonho Meu”, “Acreditar”, “Tendência”, “Mas Quem Disse que Eu Te Esqueço” e “Alguém me Avisou “.

Participou de algumas produções como atriz, dentre alguns filmes e especiais do programa Sítio do Pica-Pau Amarelo, onde foi a Tia Nastácia.

Fonte:  O Dia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS