segunda-feira, junho 17, 2024

Cordão do Boitatá: 28 anos de um dos maiores símbolos do carnaval de rua do Rio de Janeiro

“Legado, Movimento e Transformação” é o tema de 2024 do tradicional bloco carioca, que vai ter um fevereiro quente: ganha as ruas do Centro da cidade, pela 28ª vez, no dia 4, domingo que antecede a folia; leva, pela 18ª vez, o Baile Multicultural à Praça XV, no dia 11, domingo de carnaval; e, ainda antes, no dia 2, lança álbum com canções próprias.
.
Qualquer folião de rua que tenha passado – ou pretenda passar – o carnaval no Rio sabe a importância e a dimensão do Cordão do Boitatá. Desde 1997, o bloco desfila pelas encruzas estreitas do Centro da Cidade, com sua orquestra de rua, de forma acústica. Além do cortejo uma semana antes do carnaval (em 2024, dia 4 de fevereiro), o grupo promove, no próprio domingo de carnaval, 11 de fevereiro, pela 18ª vez, o Baile Multicultural, na Praça XV, com sua orquestra de palco. Afora o calendário momesco, que carrega o tema “Legado, Movimento e Transformação”, o Boitatá lança em 2 de fevereiro seu segundo projeto fonográfico: o álbum de canções próprias Dos Pés à Cabeça Na Praça, distribuído pela Biscoito Fino.

A Orquestra de Palco do Cordão do Boitatá conta com 15 músicos de referência do cenário carioca que fazem vibrar o Festival Multicultural da Praça XV, por mais de 7h seguidas. O repertório do 18º baile ganha composições dos homenageados do ano: Lecy Brandão, Chico Buarque, Edu Lobo e Rita Lee. Já o cortejo de rua traz três novos estandartes em sua formação. Nego Bispo, José Celso e Chiquinha Gonzaga são as novas personalidades em destaque neste carnaval. Formado por mais de 100 instrumentistas, a Orquestra de Rua do Cordão do Boitatá promove o encontro de adolescentes do grupo “Mulecada que Agita”, do Morro da Serrinha e do Morro dos Macacos, com músicos amadores e profissionais, que atuam também em orquestras sinfônicas, bandas, blocos, universidades e escolas de samba.

Foi no longínquo ano de 1996 que alguns amigos músicos se juntaram para saírem fantasiados pelas ruas do centro do Rio tocando sambas e marchinhas carnavalescas. Conforme crescia, o Cordão do Boitatá reiterava suas crenças no afeto, na festa como luta política, na rua como espaço de construção colaborativa e na música como patrimônio e memória de um povo. Prova disso é que o bloco não conta com patrocinadores, realizando sua festa com recursos arrecadados por meio de financiamento coletivo, ensaios e vendas de camisas e outros ítens, o que garante sua independência e sua autonomia.
.
Pioneirismo, coerência e espírito comunitário que, além de trazer para perto pessoas como Martinho da Vila, Marisa Monte, Keziah Jones, Teresa Cristina, João Donato e Yamandu Costa, todos já tendo passado pelo baile na Praça XV, garantiram ao bloco a Medalha Pedro Ernesto, conferida pela Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, e o reconhecimento, pela ALERJ, como Patrimônio Imaterial do Estado do Rio, ambas honrarias oferecidas no ano de 2022.

revistaprosaversoearte.com - Cordão do Boitatá: 28 anos de um dos maiores símbolos do carnaval de rua do Rio de Janeiro
Cortejo de rua do Cordão do Boitatá, no Centro do Rio de Janeiro. foto: ©Sabrina Mesquita.

SERVIÇO
CORDÃO DO BOITATÁ
CARNAVAL 2024: “LEGADO, MOVIMENTO E TRANSFORMAÇÃO”
.
CORTEJO DA ORQUESTRA DE RUA
Data: domingo, 4 de fevereiro de 2024
Horário: 8h
Local: Centro do Rio
.
BAILE MULTICULTURAL DO BOITATÁ
Data: domingo, 11 de fevereiro de 2024
Horário: 11h
Local: Praça XV
.
FINANCIAMENTO COLETIVO
PIX [email protected]
Depósito em conta:
Cordão do Boitatá
Banco C6 – Nº 336 | Ag.: 0001 | C.c.: 13542638-3 | CNPJ 11289077/0001-40


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES