sábado, junho 15, 2024

Premiada peça ‘Tom na Fazenda’ faz temporada em São Paulo no Teatro Vivo

Dirigida por Rodrigo Portella e idealizada por Armando Babaioff, a versão brasileira da peça do autor canadense Michel Marc Bouchard, vencedora de inúmeros prêmios nacionais e internacionais, retorna aos palcos paulistas depois de sucesso de temporada internacional
.
Armando Babaioff assina a tradução do texto e divide a cena com Soraya Ravenle, Gustavo Rodrigues e Camila Nhary. A direção é de Rodrigo Portella.
.
Tom na Fazenda é um caso raro nas artes cênicas brasileiras. Espetáculo vencedor dos prêmios da APCA, Associação de Críticos de Teatro de Quebec, Shell, Cesgranrio, APTR e Questão de Crítica, ele retoma para uma temporada em São Paulo, de 5 maio até 25 de junho, no Teatro Vivo, de sexta a domingo, depois de 24 apresentações em Paris, no Théâtre Paris-Villette, com grande repercussão entre a imprensa da cidade e o público – foi o melhor público da casa dos últimos 20 anos.
.
“É raro ver uma encenação ser ovacionada de pé todas as noites e uma atuação alucinante de seus atores que fazem um trabalho incrível de interpretação.” (Libération, Laurent Goumarre)
.
Foi mais um passo na trajetória da produção brasileira. Essa projeção internacional começou no verão de 2022, quando Tom na Fazenda participou do Festival d´Avignon, também na França, para o público e programadores de teatros. Ao lado de cerca de 1700 espetáculos de diversos lugares do mundo, foi um dos destaques do evento. Além de Paris, estão programadas para a temporada 2023/2024 mais de 45 apresentações em 27 cidades, da França, Bélgica, Suíça, Marrocos e Portugal. Até 2026, há uma agenda de apresentações internacionais.
.
“Depois da pandemia, diante das inúmeras incertezas no cenário cultural brasileiro, num primeiro movimento de uma retomada das atividades, resolvi apostar mais uma vez na peça. Arquei com os custos para levar o trabalho para o Festival d´Avignon, acreditando na internacionalização do projeto. A ideia era ter dois ou três contratos com produtores internacionais para cobrir os gastos. Mais uma surpresa: as 21 apresentações da peça na cidade francesa tiveram ingressos esgotados. E a peça independente tem agora, pela primeira vez, uma vida internacional”, conta Babaioff.

“A lona que cobre o palco, em um ringue lamacento, se transforma em campo de pasto, em que os homens se digladiam, muitas vezes como violência, outras com a distância das palavras enganadoras. Os diálogos se completam no enfrentamento físico, mas se mantêm enigmáticos nos olhares frontais e corpos rígidos voltados para a plateia.” (O Globo, Macksen Luiz)
.
A peça, baseada na obra Tom à la Ferme, do autor canadense Michel Marc Bouchard, aborda a inabilidade do indivíduo para lidar com o preconceito, a impotência, a violência e o fracasso. Trata de assuntos caros ao Brasil: apesar da homofobia não ser o tema principal, é por causa dela que o destino dos personagens se dá, é uma peça sobre mentiras e relações de dominação. A produção brasileira, considerada pelo autor canadense a versão definitiva de seu texto, atravessou, bravamente resistindo, os piores anos da história do Brasil: sofreu censura, pois teve uma temporada cancelada – sem muitas explicações.
.
Na trama, o publicitário Tom (Armando Babaioff) vai à fazenda da família para o funeral de seu companheiro. Ao chegar, descobre que a sogra (Soraya Ravenle) nunca tinha ouvido falar dele e tampouco sabia que o filho era gay. Nesse ambiente rural e austero, Tom é envolvido numa trama de mentiras criada pelo truculento irmão (Gustavo Rodrigues) do falecido, estabelecendo com aquela família relações de complicada dependência. A fazenda, aos poucos, vira cenário de um jogo perigoso, em que quanto mais os personagens se aproximam, maior a sombra de suas contradições.
.
“Em ‘Tom à la Ferme’, a tessitura das palavras é feita sob medida para a encarnação dos atores.” (Le Monde, Joelle Gayott)
.
Idealizada pelo ator e produtor Armando Babaioff, que também assina a tradução, a encenação é dirigida por Rodrigo Portella. Tom na Fazenda traz no elenco Soraya Ravenle, Gustavo Rodrigues e Camila Nhary, além do próprio Babaioff.
.
A montagem de Tom na Fazenda no Brasil, transformou a carreira do ator Babaioff. Além de a peça conquistar inúmeros prêmios em diversas categorias, incluindo melhor espetáculo, para o ator também tem sido uma grande surpresa: ele ganhou, além da amizade com o autor canadense, o direito de montar qualquer peça de Bouchard e, depois do sucesso no Festival d´Avignon, foi convidado para criar junto do parceiro Rodrigo Portella, um novo trabalho em coprodução com teatros internacionais para 2025.

Tom na Fazenda – A peça estreou em março de 2017 e, no Brasil, conquistou vários prêmios: da APCA, Shell, Cesgranrio, APTR, Questão de Crítica e Associação de Críticos de Teatro de Québec. Desde então, foram mais de 280 apresentações em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Montreal (interrompida pela pandemia), Avignon e Paris, com um público de mais de 45 mil pessoas.
.
Quando Babaioff pediu os direitos para realizar a peça no Brasil, o autor canadense pediu para assistir à estreia. Em 2017, ele veio ao Rio de Janeiro para acompanhar o trabalho. Ficou surpreso. Foi de Bouchard a ideia de convencer o programador do Festival TransAmériques (FTA), em Montreal, no Canadá – um dos festivais de teatro contemporâneo mais importantes da América do Norte – a levar a peça para lá. Era a única representante brasileira e as três apresentações tiveram a casa lotada. “No final fomos surpreendidos com 12 minutos de aplausos”, conta Babaioff. “Ali nós percebemos a força da peça. A nossa encenação é muito violenta, as pessoas em Montreal ficaram chocadas com isso. Há um momento em que meu personagem fica pendurado de cabeça para baixo, é muito forte. Após essa breve passagem pelo FTA, fomos surpreendidos ao receber o prêmio de melhor espetáculo concedido pela Associação Québécoise de Críticos de Teatro e estávamos concorrendo com o encenador Ivo Van Hove (diretor de origem belga, hoje à frente do Toneelgroep Amsterdam)”, completa.

revistaprosaversoearte.com - Premiada peça 'Tom na Fazenda' faz temporada em São Paulo no Teatro Vivo
Cena do espetáculo ‘Tom na Fazenda’ – foto: ©Victor Pollak

“Dirigido por Rodrigo Portella, esta versão teatral brasileira de uma beleza violenta, beirando o sublime, é um momento excepcional do teatro. Uma experiência teatral dessa ordem é rara.” (La Terrasse, Marie-Emmanuelle Duulous de Meritens)
.
Armando Babaioff – idealizador, tradutor e ator
Ator, produtor e tradutor. Tem 42 anos e 27 anos de carreira. No teatro, atuou em A Primeira Noite de um Homem, de Mike Nichols, Senhorita Júlia, de August Strindberg, Na Solidão dos Campos de Algodão, de Bernard-Marie Koltès (indicado ao Prêmio de Melhor Ator pela APTR) e A Gota d’Àgua, de Chico Buarque. No cinema esteve presente nos premiados Homem-Livre, de Álvaro Furloni, e Sangue Azul, de Lírio Ferreira; seu último trabalho em televisão foi o personagem Diogo Cabral, em Bomsucesso, na Rede Globo. Sua tradução de Tom na Fazenda, do franco-canadense Michel Marc Bouchard foi publicada pela editora Cobogó.
.
Rodrigo Portella – diretor
Artista da cena, nascido em Três Rios, interior do Estado do Rio de Janeiro, é diretor teatral, iluminador e dramaturgo. Ganhou os mais importantes prêmios de teatro brasileiro da última década com as peças As Crianças, de Lucy Kirkwood, em 2020, e Tom na Fazenda, de Michel Marc Bouchard, em 2018. Este último ganhou o Prêmio de Melhor Espetáculo Estrangeiro em Montreal e os prêmios de melhor espetáculo teatral de 2019 pela APCA (Associação de Críticos de Arte de São Paulo) (SP – 2019) e APTR (Associação de Produtores de Teatro do Rio de Janeiro) APTR (RJ 2018).
.
Michel Marc Bouchard (autor)
Uma das vozes mais importantes do teatro de Quebec, Michel Marc Bouchard nasceu em Quebec, Canadá, e teve sua primeira peça de teatro produzida profissionalmente em 1983, La Contre-nature de Chrysippe Tanguay, Écologist. Desde então, escreveu mais de 25 peças, traduzidas para diversos idiomas e apresentadas em diferentes países. Sua obra mais conhecida é Les Feluettes, foi roteirizada e dirigida por John Greyson em filme homônimo. Sucesso no teatro, As Musas Orfelinas e Tom na Fazenda também foram adaptadas para o cinema pelos diretores Robert Favreau e Xavier Dolan, respectivamente. Ao longo de sua carreira, Bouchard recebeu importantes prêmios de artes cênicas no Canadá: Prix Journal de Montreal, Prix du Cercle des Critiques de L’outaouais, Moore Award Dora Mavor for Outstanding New Play, Floyd S. Chalmers Award Canadian Play, Jessie Richardson Theatre Awards. Atualmente é membro da Academia de Letras de Quebec.

revistaprosaversoearte.com - Premiada peça 'Tom na Fazenda' faz temporada em São Paulo no Teatro Vivo
Armando Babaioff e Gustavo Rodrigues em cena no espetáculo ‘Tom na Fazenda’ – foto: ©Victor Pollak.

FICHA TÉCNICA
Texto: Michel Marc Bouchard
Tradução: Armando Babaioff
Direção: Rodrigo Portella
Elenco: Armando Babaioff, Soraya Ravenle, Gustavo Rodrigues e Camila Nhary
Cenografia: Aurora dos Campos
Iluminação: Tomás Ribas
Figurino: Bruno Perlatto
Direção musical: Marcello H.
Coreografia: Toni Rodrigues
Design gráfico + mídias sociais: Victor Novaes
Direção de produção: Sérgio Saboya e Silvio Batistela
Assessoria de imprensa SP: Canal Aberto
Produção executiva SP: Cláudia Barbot e Júlia Tavares
Idealização: Armando Babaioff (quadrovivo)
.
.
SERVIÇO
TOM NA FAZENDA
Estreia: 5 de maio de 2023
Temporada de 5 de maio a 25 de junho (2023)
Local: Teatro VIVO – Av. Chucri Zaidan, 2460 – Morumbi, São Paulo-SP
Horários: Sexta e Sábado, 20h | Domingo, 18h
Sistema de vendas: Sympla
Duração: 120 min


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES