Fernanda Montenegro - foto: Raquel Cunha/TV Globo

“Escrevi talvez porque comecei a lidar com tanta literatura na rádio, e aí me deu um negócio de fazer também um poeminha (risos).”
– Fernanda Montenegro

Leia o poema:

Poema dos meus 17 anos 

Dizer o que se quer dizer… e há tanta coisa.

Vontade de chorar… chorar pelo sofrimento de querer todas as coisas, de viver todas as vidas… e não poder.

Sonhar.

Viver acima de tudo. Viver como se um sopro eterno suspendesse minha alma e a deixasse aí – no perigo de cair…

mas, na ânsia de subir, mais e mais.

Chora-se pelo que não se tem…

Chora-se pelo sonho que nunca é realidade…

Choro por alguém que nem mesmo conheço, nem sei como é seu rosto, sua voz, suas mãos…

Sei somente que sem ele nunca viverei, nunca serei completa.
– Fernanda Montenegro, publicado no  ‘Estadão‘, em 27 Maio 2018. (‘Fernanda Montenegro faz mergulho em suas memórias no livro ‘Itinerário Fotobiográfico’’, por Adriana Del Ré, O Estado de S. Paulo).

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS