segunda-feira, julho 15, 2024

Osesp com Zhang e Lozakovich e ‘O silêncio que nunca (h)ouve’ com Coro da Osesp

O ano de 2024 marca as celebrações dos 70 anos da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp, além dos 30 anos de atividades do Coro da Osesp e dos 25 anos da Sala São Paulo – a casa da Osesp, dos Coros e de seus Programas Educacionais, inaugurada em 1999 no edifício onde antes funcionava a Estrada de Ferro Sorocabana.

Entre quinta-feira (20/jun) e sábado (22/jun), a Osesp toca obras do compositor Johannes Brahms (1833-1897) como parte do Ciclo Brahms, um dos eixos temáticos da Temporada 2024. Na ocasião, serão apresentadas a Sinfonia nº 3 em Fá maior e o Concerto para violino em Ré maior, este com o jovem prodígio do violino Daniel Lozakovich. A regência será da mestra sino-americana Xian Zhang, substituindo Thierry Fischer. Originalmente escalado para o programa, Fischer não poderá reger a Osesp neste programa por razões de força maior. A performance da sexta-feira (21/jun) será transmitida ao vivo no YouTube da Orquestra.

E no domingo (23/jun), às 18h30, o Coro da Osesp apresenta um programa muito especial em sua série de concertos, regido por seu Maestro Preparador, William CoelhoO silêncio que nunca (h)ouve será todo dedicado a obras de compositoras mulheres do século XIX, como Amy Beach e Florence Price, até a atualidade, como as brasileiras Valéria Bonafé e Juliana Ripke.

Sobre o programa
Terceira Sinfonia de Brahms, assim como a Segunda, foi escrita em apenas quatro meses, no Reno, em Wiesbaden, cidade famosa por suas termas e seus spas. É a mais curta de suas quatro sinfonias e, de certa maneira, a que se presta ao maior número de leituras, podendo pender com igual facilidade para o lado do Classicismo ou do Romantismo.

Ainda jovem, Brahms fascinou-se pela música cigana húngara durante uma turnê com o violinista Ede Reményi. Em uma das cidades dessa turnê, conheceu o também húngaro Joseph Joachim, que se tornou um de seus grandes amigos. Essas experiências influenciaram sua carreira, levando-o a compor o Concerto para violino anos mais tarde, assessorado por Joachim. A integração entre solista e orquestra é marcante na obra, e era justamente uma das qualidades do Concerto para violino de Beethoven, compositor que Brahms buscava emular e de quem era considerado o herdeiro artístico.

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp
A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp é um dos grupos sinfônicos mais expressivos da América Latina. Com 13 turnês internacionais e quatro turnês nacionais realizadas, mais de uma centena de álbuns gravados e uma média de 120 apresentações por temporada, a Osesp vem alterando a paisagem musical do país e pavimentando uma sólida trajetória dentro e fora do Brasil, obtendo o reconhecimento de revistas especializadas como Gramophone e Diapason, e relevantes prêmios, como o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Clássica de 2007. A Orquestra se destacou ao participar de três dos mais importantes festivais de verão europeus, em 2016, ao se tornar a primeira orquestra profissional latino-americana a se apresentar em turnê pela China, em 2019, e ao estrear em 2022, no Carnegie Hall, em Nova York, apresentando um concerto na série oficial de assinatura da casa e o elogiado espetáculo Floresta Villa-Lobos. Desde 2020, Thierry Fischer ocupa os cargos de Diretor Musical e Regente Titular, antes ocupados por Marin Alsop (2012-19), Yan Pascal Tortelier (2010-11), John Neschling (1997-2009), Eleazar de Carvalho (1973-96), Bruno Roccella (1963-67) e Souza Lima (1953). Mais que uma orquestra, a Osesp é também uma iniciativa cultural original e tentacular que abrange diversos corpos artísticos e projetos sociais e de formação, como os Coros Sinfônico, Juvenil e Infantil, a Academia de Música, o Selo Digital, a Editora da Osesp e o Descubra a Orquestra. Fundada oficialmente em 1954, a Orquestra passou por radical reestruturação entre 1997 e 1999 e, desde 2005, é gerida pela Fundação Osesp.

revistaprosaversoearte.com - Osesp com Zhang e Lozakovich e 'O silêncio que nunca (h)ouve' com Coro da Osesp
Coro da Osesp – crédito: Laura Manfredini

Coro da Osesp
O Coro da Osesp, além de sua versátil e sólida atuação sinfônica e de seu repertório histórica e estilisticamente abrangente, enfatiza em seu trabalho a interpretação, o registro e a difusão da música dos séculos XX e XXI e de compositores brasileiros. Destacam-se em sua ampla discografia os álbuns Canções do Brasil (Biscoito Fino, 2010), Aylton Escobar: Obras para Coro (Selo Digital Osesp, 2013) e Heitor Villa-Lobos: Choral Transcriptions (Naxos, 2019). Em sua primeira turnê internacional, em 2006, apresentou-se para o rei da Espanha, Filipe VI, em Oviedo, na entrega do 25º Prêmio da Fundação Príncipe de Astúrias. Em 2020, cantou, sob a batuta de Marin Alsop, no Concerto de Abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça, feito repetido em 2021, quando participou de um filme virtual que trazia também Yo-Yo Ma e outros artistas e grupos de sete países. Junto à Osesp, estreou no Carnegie Hall, em Nova York, em 2022, se apresentando na série oficial de assinatura da casa e integrando o elogiado espetáculo Floresta Villa-Lobos. Fundado em 1994 como Coro Sinfônico do Estado de São Paulo, por Aylton Escobar, foi integrado à Osesp em 2000, passando a se chamar Coro da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Entre 1995 e 2015, teve Naomi Munakata como coordenadora e regente, funções que, entre 2017 e 2019, foram desempenhadas por Valentina Peleggi, que contou com a colaboração de William Coelho como maestro preparador, posição que ele ainda ocupa.

revistaprosaversoearte.com - Osesp com Zhang e Lozakovich e 'O silêncio que nunca (h)ouve' com Coro da Osesp
William Coelho – ft. Ana Clara Miranda

William Coelho
É Maestro Preparador do Coro da Osesp desde 2019. Doutor em Musicologia e Bacharel em regência pela USP, foi Regente Assistente do Coral e da Orquestra de Câmara da ECA-USP, professor de Regência Coral da Pós-graduação da Faculdade Paulista de Artes e da Universidade Federal de Juiz de Fora, professor de Canto Coral da UNESP e Professor Convidado da Academia de Regência da Osesp. É Regente Titular da Eos Música Antiga USP, orquestra especializada no repertório dos séculos XVII e XVIII, e Regente Convidado da Orquestra Sinfônica da USP e da Orquestra Sinfônica de Piracicaba. Em 2020 regeu o Coro da Osesp no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

revistaprosaversoearte.com - Osesp com Zhang e Lozakovich e 'O silêncio que nunca (h)ouve' com Coro da Osesp
Xian Zhang – foto Benjamin Ealovega

Xian Zhang
Diretora musical da Sinfônica de Nova Jersey, principal regente convidada da Sinfônica de Melbourne e regente emérita da Sinfônica de Milão, a maestra chinesa tem acumulado distinções, como o primeiro lugar na Competição de Regentes Maazel-Vilar [2002]. Letters for The Future [2022], sua gravação junto à Orquestra da Filadélfia e ao Time for Three, pela Deutsche Grammophon, ganhou vários Grammy nas categorias de Melhor Composição Clássica Contemporânea e de Melhor Performance Instrumental Solo. Seus compromissos para a temporada incluem retornos às Sinfônicas de Boston, Seattle, Houston, Londres, além da Filarmônica de Los Angeles, da Orquestra Nacional do Capitólio de Toulouse, da Orquestra Nacional Belga e da Ópera Norueguesa. Na Temporada 2023-2024, rege Madame Butterfly, de Puccini, na Metropolitan Opera em Nova York. Zhang foi principal regente convidada da Orquestra e do Coro Nacionais da BBC do País de Gales, sendo a primeira mulher a ocupar um cargo titular em uma orquestra da BBC. Foi regente assistente da Filarmônica de Nova York em 2002, tornando-se posteriormente sua regente associada e a primeira titular da Cadeira Arturo Toscanini.

revistaprosaversoearte.com - Osesp com Zhang e Lozakovich e 'O silêncio que nunca (h)ouve' com Coro da Osesp
Daniel Lozakovich – foto Lev Efimov, Deutsche Grammophon

Daniel Lozakovich
Nascido em Estocolmo, Lozakovich fez sua estreia solo aos oito anos com a Orquestra de Câmara Virtuosi de Moscou. Desde então, apresenta-se regularmente com importantes grupos, como as Sinfônicas de Chicago, Cleveland, Pittsburgh e Singapura, as Filarmônicas della Scala, de Luxemburgo, de Seul, de Los Angeles e de Oslo e a Orquestra da Suíça Romanda. Como recitalista, tem se apresentado em salas históricas, como Carnegie Hall, Théâtre des Champs-Élysées, Tonhalle Zurique, Concertgebouw de Amsterdam e Konzerthaus de Viena. Abriu a temporada atual com sua estreia no festival BBC Proms e como Artista em Residência da Filarmônica de Monte-Carlo. Aos 15 anos, assinou contrato de exclusividade com a Deutsche Grammophon – o álbum de 2019 foi eleito pela revista Gramophone como “Escolha principal” dentre as melhores gravações do Concerto para violino de Tchaikovsky nos últimos 70 anos. Lozakovich recebeu muitos prêmios, incluindo o 1º lugar no Concurso Internacional de Violino Vladimir Spivakov [2016] e o prêmio “Artista Jovem do Ano 2017” no Festival das Nações. Toca um Stradivarius de 1713, gentilmente emprestado pela LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton.

revistaprosaversoearte.com - Osesp com Zhang e Lozakovich e 'O silêncio que nunca (h)ouve' com Coro da Osesp
Coro da Osesp – foto Mario Daloia

PROGRAMAS
DUAS VEZES BRAHMS
ORQUESTRA SINFÔNICA DO ESTADO DE SÃO PAULO – OSESP
XIAN ZHANG 
regente
DANIEL LOZAKOVICH 
violinista
Johannes BRAHMS
Sinfonia nº 3 em Fá maior, Op. 90
Concerto para violino em Ré maior, Op. 77
O SILÊNCIO QUE NUNCA (H)OUVE
CORO DA OSESP
WILLIAM COELHO 
regente
Amy BEACH
Three Shakespeare Choruses, Op. 39 [Três coros de Shakeaspeare]
Sea Fever [A febre do mar]

Florence PRICE | Resignação
Ethel SMYTH | Cinco canções sacras baseadas em melodias corais: Komm, Süsser Tod [Vem, doce morte]
Undine Smith MOORE | I would be true [Eu serei verdadeiro]
Valéria BONAFÉ | Nos silêncios da tua voz
Tadeja VULC | O Sapientia [Oh Sabedoria]
Jocelyn HAGEN | To see the sky [Para ver o céu]
Kerensa BRIGGS | Media Vita [Na metade da vida]
Eleanor DALEY | Upon your heart [Sobre seu coração]
Caroline SHAW | And the swallow [E a andorinha]
Juliana RIPKE | Vozes-Mulheres [texto: Conceição Evaristo]
.
SERVIÇO

20 de junho, quinta-feira, às 20h30
21 de junho, sexta-feira, às 20h30 – Concerto Digital
22 de junho, sábado, às 16h30
23 de junho, domingo, às 18h30 [Coro da Osesp]
Endereço: Sala São Paulo | Praça Júlio Prestes, 16
Taxa de ocupação limite: 1.484 lugares
Recomendação etária: 07 anos
Ingressos: Entre R$ 39,60 e R$ 271,00 [Osesp] e R$ 39,60 [Coro] (valores inteiros)
Bilheteria (INTI): neste link
(11) 3777-9721, de segunda a sexta, das 12h às 18h.
Cartões de crédito: Visa, Mastercard, American Express e Diners.
Estacionamento: R$ 28,00 (noturno e sábado à tarde) e R$ 16,00 (sábado e domingo de manhã) | 600 vagas; 20 para pessoas com deficiência; 33 para idosos.
.
*Estudantes, pessoas acima dos 60 anos, jovens pertencentes a famílias de baixa renda com idade de 15 a 29 anos, pessoas com deficiências e um acompanhante e servidores da educação (servidores do quadro de apoio – funcionários da secretaria e operacionais – e especialistas da Educação – coordenadores pedagógicos, diretores e supervisores – da rede pública, estadual e municipal) têm desconto de 50% nos ingressos para os concertos da Temporada Osesp na Sala São Paulo, mediante comprovação.

.
A Osesp e a Sala São Paulo são equipamentos do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo, gerenciadas pela Fundação Osesp, Organização Social da Cultura.


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES