domingo, julho 14, 2024

Osesp celebra 50 anos de casa da timpanista Elizabeth Del Grande

OSESP  – Timpanista Del Grande completa 50 anos com Orquestra e será solista em concertos de 9 a 11/nov, estreando obra dedicada a ela; mais duas peças inéditas fazem parte do programa, uma delas com jovem violoncelista Luiz Fernando Venturelli; apresentação da sexta (10/nov) terá transmissão ao vivo no YouTube da Osesp.
.
Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp se apresenta entre 9 e 11/nov, na Sala São Paulo, prestando homenagem à sua timpanista Elizabeth Del Grande. A decana, que completa 50 anos na Orquestra, será solista em programa que também traz o multi-instrumentista Luiz Fernando Venturelli. Os concertos serão comandados pelo inglês Neil Thomsom, regente titular da Filarmônica de Goiás e parceiro de longa data da Osesp. O repertório terá a Fantasia e Fuga em Dó Menor, de Johann Sebastian Bach, e tripla estreia: das encomendas A Hora das Coisas, de Paulo C. Chagas, e Concerto para Violoncelo, de Jorge Villavicêncio Grossmann; e da orquestração de Richard Rijnvos para o Ciclo Brasileiro, de Villa-Lobos — todos os três compositores estarão conosco na ocasião. Vale lembrar que a apresentação da sexta-feira (10/nov) terá transmissão digital no canal da Osesp no YouTube.

Elizabeth Del Grande: 50 Anos de Osesp
Em 1973, quando a presença de mulheres em orquestras se contava nos dedos, ela juntou-se à percussão da Osesp e fez história. Bolsista do célebre Festival de Tanglewood, nos EUA, com vários prêmios no currículo, dedicou-se ao ensino da percussão sinfônica e participou de diversas gravações sinfônicas, de música popular, de trilhas sonoras e até mesmo de jingles. Neste ano, fará a estreia mundial, como solista, de A hora das coisas, encomenda a Paulo C. Chagas para celebrar as cinco décadas de Elizabeth Del Grande com a Osesp. “Em vários aspectos, Beth é um símbolo da superação, da vitalidade e do sucesso da Osesp”, diz Marcelo Lopes, diretor executivo da instituição.
.
Sobre o programa
Fantasia e Fuga em Dó Menor foi escrita durante a permanência de Bach na corte do Castelo de Weimar, sem data precisa. Em 1774, um incêndio reduziu a cinzas o castelo, e uma quantidade importante de documentos e partituras de seu arquivo se perdeu para sempre. Felizmente a Fantasia e Fuga se salvou. É uma obra relativamente breve, que esbanja ideias melódicas e soluções harmônicas maravilhosas. Começa com um movimento solene, até mesmo pesaroso, ornamentado e complexo, que dispensa a parte improvisatória e virtuosística (semelhante a uma cadenza) tão comum em outras peças do gênero — tal bravura poderia comprometer o caráter compenetrado da música, que predomina até o fim.
.
A Hora das Coisas, de Paulo C. Chagas, foi encomendada especialmente para homenagear Elizabeth Del Grande. Apesar de desempenhar um papel vital na orquestra sinfônica, são poucos os concertos dedicados ao tímpano. A preocupação do compositor foi de explorar toda a vasta paleta sonora do instrumento, desde gestos de extrema intensidade até passagens líricas, ritmos pulsantes e texturas variadas. A peça se inicia de maneira enérgica, com o tímpano executando solos intercalados por intervenções curtas e marcantes de toda a orquestra.

Já o Concerto para Violoncelo, com três movimentos, foi escrito por Jorge Villavicêncio Grossmann especialmente para Luiz Fernando Venturelli. O segundo deles, um “Scherzo”, utiliza uma técnica de pizzicatos especialmente desenvolvida por Venturelli, graças à sua experiência como guitarrista, é um interlúdio fugaz entre o meditativo primeiro movimento e o multifacetado terceiro movimento.
.
Ciclo Brasileiro, dedicado a Mindinha, segunda esposa de Villa-Lobos, é uma obra de maturidade, em que a costura de elementos eruditos e populares é realizada sem qualquer artificialismo. Villa-Lobos já era então um compositor consagrado e figura pública eminente, e havia há tempos encontrado a sua linguagem própria. A identidade nacional, frisada nos títulos de cada um de seus movimentos, é o elemento catalisador desta obra, que já foi descrita como um arco que se estende entre a semeadura (o plantio do caboclo) e a celebração da colheita abundante (a dança do índio branco).

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp
Fundada em 1954, desde 2005 é administrada pela Fundação Osesp. Thierry Fischer tornou-se Diretor Musical e Regente Titular em 2020, tendo sido precedido, de 2012 a 2019, por Marin Alsop, que agora é Regente de Honra. Seus antecessores foram Yan Pascal Tortelier, John Neschling, Eleazar de Carvalho, Bruno Roccella e Souza Lima. Em 2016, a Orquestra esteve nos principais festivais da Europa e, em 2019, realizou turnê na China. Em 2018, a gravação das Sinfonias de Villa-Lobos, regidas por Isaac Karabtchevsky, recebeu o Grande Prêmio da Revista Concerto e o Prêmio da Música Brasileira. Em outubro de 2022, a Osesp — Orquestra e Coro — estreou no Carnegie Hall, em Nova York, realizando dois programas — o primeiro como convidada da série oficial de assinaturas da casa, o segundo com o elogiado projeto “Floresta Villa-Lobos”. Na Temporada 2024, a orquestra celebrará 70 anos de história com programação especial e a realização de uma turnê internacional.

revistaprosaversoearte.com - Osesp celebra 50 anos de casa da timpanista Elizabeth Del Grande
Osesp com Neil Thomson – foto ©Laura Manfredini

Neil Thomson
Diretor artístico e regente titular da Orquestra Filarmônica de Goiás desde 2014, o maestro inglês foi regente titular do Royal College of Music de 1992 a 2006, do qual é membro honorário. Já gravou com a Orquestra Sinfônica de Londres e regeu concertos com as Filarmônicas de Londres, de Tóquio, Nacional Russa, Sinfônicas da BBC e Yomiuri Nippon, além da Osesp. Lecionou no Mozarteum em Salzburgo, na Academia de Música de Cracóvia e em diversos festivais, incluindo o Festival de Inverno de Campos do Jordão.

revistaprosaversoearte.com - Osesp celebra 50 anos de casa da timpanista Elizabeth Del Grande
Elizabeth Del Grande – foto © Mariana Garcia

Elizabeth Del Grande
Natural da capital paulista, Elizabeth formou-se em Percussão pela Escola Municipal de Música de São Paulo. Foi bolsista do Festival de Tanglewood (EUA) e é graduada em Percussão pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Seus principais professores foram Ernesto De Lucca, Arnaldo Calusio e Charles Smith. Atua como profissional desde 1970 em orquestras sinfônicas, grupos de música de câmara e como solista e professora nos principais festivais de música e encontros de percussão do Brasil. É professora da Faculdade Cantareira, da Academia da Osesp e da Escola Municipal de Música de São Paulo, de cujo grupo de percussão é diretora. É Timpanista Solo e responsável pelo naipe de Percussão da Osesp, que integra desde 1973.

revistaprosaversoearte.com - Osesp celebra 50 anos de casa da timpanista Elizabeth Del Grande
Luiz Fernando Venturelli – foto ©Todd Rosenberg

Luiz Fernando Venturelli
O multi-instrumentista Luiz Fernando Venturelli deu início à carreira solo aos nove anos de idade, interpretando o Concerto n º 1 em Dó maior, RV 399 de Vivaldi junto à Orquestra Juvenil Heliópolis, na Sala São Paulo. Aos 10 anos, foi solista do Concerto n º 1 em Dó maior, Hob. VIIb de Haydn com a Orquestra Sinfônica da USP (Osusp). Foi premiado no Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio [2011 e 2013]; no Tomaz Babini – Art Invest Award, organizado pela UFRGS [2012]; no Concurso Internacional da New York International Artists Association [2014] – como prêmio, apresentou-se no Carnegie Hall – e no III Concurso Jovens Solistas, realizado pela Filarmônica de Goiás [2015].

revistaprosaversoearte.com - Osesp celebra 50 anos de casa da timpanista Elizabeth Del Grande
Sala São Paulo – foto © Mariana Garcia

PROGRAMA
TEMPORADA OSESP: NEIL THOMSON, ELIZABETH DEL GRANDE E LUIZ FERNANDO VENTURELLI
ORQUESTRA SINFÔNICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
NEIL THOMSON 
regente
ELIZABETH DEL GRANDE 
tímpanos
LUIZ FERNANDO VENTURELLI 
violoncelo
Johann Sebastian BACH | Fantasia e Fuga em Dó Menor, BWV 537 [Transcrição de Edward Elgar]
Paulo C. CHAGAS | A Hora das Coisas [Encomenda | Estreia Mundial]
Jorge Villavicêncio GROSSMANN | Concerto para Violoncelo [Encomenda | Estreia Mundial]
Heitor VILLA-LOBOS | Ciclo Brasileiro [Orquestração de Richard Rijnvos]
.
SERVIÇO
9 de novembro, quinta-feira, às 20h30
10 de novembro, sexta-feira, às 20h30 – Concerto Digital
11 de novembro, sábado, às 16h30
Endereço: Sala São Paulo | Praça Júlio Prestes, 16
Taxa de ocupação limite: 1.484 lugares
Recomendação etária: 7 anos
Ingressos: Entre R$ 39,60 e R$ 258,00 (valores inteiros)
Bilheteria (INTI): neste link
(11) 3777-9721, de segunda a sexta, das 12h às 18h.
Cartões de crédito: Visa, Mastercard, American Express e Diners.
Estacionamento: R$ 28,00 (noturno e sábado à tarde) e R$ 16,00 (sábado e domingo de manhã) | 600 vagas; 20 para pessoas com deficiência; 33 para idosos.
.
*Estudantes, pessoas acima dos 60 anos, jovens pertencentes a famílias de baixa renda com idade de 15 a 29 anos, pessoas com deficiências e um acompanhante e servidores da educação (servidores do quadro de apoio – funcionários da secretaria e operacionais – e especialistas da Educação – coordenadores pedagógicos, diretores e supervisores – da rede pública, estadual e municipal) têm desconto de 50% nos ingressos para os concertos da Temporada Osesp na Sala São Paulo, mediante comprovação.
.
A Osesp e a Sala São Paulo são equipamentos do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo, gerenciadas pela Fundação Osesp, Organização Social da Cultura.

>> Imagem de capa – Luiz Fernando Venturelli – foto ©Todd Rosenberg, Elizabeth Del Grande – foto © Mariana Garcia, Osesp com Neil Thomson – foto ©Laura Manfredini


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES