100 escritores mais criativos da história da literatura – Harold Bloom

O crítico Harold Bloom se autodefinia como “um monstro” da leitura. Ele se gabava da capacidade de devorar um livro de 400 páginas em apenas uma hora. Um intelectual próximo dizia que, de fato, era “assustador” ver o amigo absorvendo as palavras em frenesi em sua biblioteca. Depois de processar tudo o que lia, de Shakespeare a poemas do Velho Testamento, Bloom devolvia seu conhecimento ao mundo de forma prodigiosa: ele foi um monstro da crítica literária.

No prefácio ao livro “Gênio: Os 100 autores mais criativos da história da literatura”, o autor, Harold Bloom*, indaga: “Por que estes 100 autores?”, e, logo a seguir, responde: “A certa altura, considerei incluir muitos outros nomes, mas uma centena me pareceu número suficiente. Excetuando aqueles que jamais poderiam ser omitidos – Shakespeare, Dante, Cervantes, Homero, Virgílio, Platão e companheiros -, minha seleção é totalmente arbitrária e idiossincrática. A lista não encerra, em absoluto, os 100 melhores, na avaliação de quem quer que seja, inclusive na minha. Apenas estes autores são aqueles sobre os quais desejei escrever.”

“Falstaff e Hamlet estão bem mais vivos do que muita gente que conheço. (…) Lemos em busca de mais vida, e só o gênio é capaz de nos prover de mais vida”, afirma o escritor.

Para organizar a antologia “Gênio”, que reúne cem nomes essenciais da literatura mundial de todos os tempos, o crítico americano Harold Bloom lançou mão de uma definição estritamente pessoal do conceito de genialidade. Para ele, fundamentalmente, consciência é o que define o gênio:

“Todas as mentes criativas exemplares aqui incluídas contribuíram para a expansão da consciência dos respectivos leitores e ouvintes. As questões que devemos colocar a qualquer escritor são as seguintes: ele ou ela alarga a nossa consciência? E como isso se dá? Sugiro um teste simples, mas eficaz: fora o aspecto do entretenimento, a minha conscientização foi aguçada? Expandiu-se a minha consciência, tornou-se mais esclarecida? Se não, deparei-me com talento, e não com gênio. Aquilo que há de melhor e de primordial em mim não terá sido tocado”, esclarece Bloom.

Um exemplo dessa capacidade, para o crítico, é Machado de Assis (1839-1908). “Machado de Assis é uma espécie de milagre, mais uma demonstração da autonomia do gênio literário quanto a fatores como tempo e lugar, política e religião, e todo o tipo de contextualização que supostamente produz a determinação dos talentos humanos.” E isso vale para todos os cem eleitos em “Gênio”. “Qualquer contemporâneo de Dante poderia compartilhar da relação que o poeta teve com a tradição, do conhecimento e de algo semelhante ao amor do poeta por Beatriz, mas somente Dante escreveu a ‘Comédia’ “, diz Bloom.

BLOOM, Harold. Gênio: os 100 escritores mais criativos da história da literatura. [tradução José Roberto O’Shea; revisão de Marta M. O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2003.

“A noção de ‘grandeza’ está fora de moda, assim como a ideia de transcendência, mas é difícil continuar vivendo sem alguma esperança de se deparar com o extraordinário.”

Harold Bloom, em 2003. foto: Alberto Cristofari/contrasto

“Dividi a centena de gênios da linguagem aqui relacionados em dez conjuntos, cada qual contendo dez nomes; em seguida, dividi cada conjunto em subconjuntos de cinco nomes. Todo gênio, a meu ver, é idiossincrático, extremamente arbitrário e, em última instância, solitário. Qualquer contemporâneo de Dante poderia compartilhar da relação que o poeta teve com a tradição, mas somente Dante escreveu a Comédia. Cada um dos 100 autores por mim selecionados é singular, mas, tanto quanto qualquer outro livro, este requer algum princípio de organização ou classificação. Estruturei-o como um mosaico, por acreditar no surgimento de contrastes e inspirações importantes.”
– Harold Bloom, em “Gênio: Os 100 autores mais criativos da história da literatura”. [tradução José Roberto O’Shea; revisão de Marta M. O’Shea]. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003, p. 13.

Eis a lista dos 100 gênios mais criativos da literatura mundial, segundo Harold Bloom:
  1. O Javista (980?-900? A.C.)
  2. Homero (séc. VIII A.C.)
  3. Sócrates (469-399 A.C.)
  4. Platão (c.429-347 A.C.)
  5. Lucrécio (Tito Lucrécio Caro) (c.99-c.55 A.C.)
  6. Virgílio (70-19 A.C.)
  7. São Paulo (?-67)
  8. Santo Agostinho (354-430)
  9. Maomé (570?-632)
  10. Murasaki Shikibu, Lady (978?-1026?)
  11. Dante Alighieri (1265-1321)
  12. Geoffrey Chaucer (1340?-1400)
  13. Luis Vaz de Camões (1524?-1580)
  14. Michel de Montaigne (1533-1592)
  15. Miguel de Cervantes (1547-1616)
  16. William Shakespeare (1564-1616)
  17. John Donne (1572-1631)
  18. John Milton (1608-1674)
  19. Molière (Jean-Baptiste Poquelin) (1622-1673)
  20. Jonathan Swift (1667-1745)
  21. Alexander Pope (1688-1744)
  22. Samuel Johnson (1709-1784)
  23. James Boswell (1740-1795)
  24. Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832)
  25. William Blake (1757-1827)
  26. William Wordsworth (1770-1850)
  27. Jane Austen, Lady (1775-1817)
  28. Stendhal (Henry Beyle) (1783-1842)
  29. Percy Bysshe Shelley (1792-1822)
  30. John Keats (1795-1821)
  31. Giacomo Leopardi (1798-1837)
  32. Honoré de Balzac (1799-1850)
  33. Victor Hugo (1802-1885)
  34. Ralph Waldo Emerson (1803-1882)
  35. Nathaniel Hawthorne (1804-1864)
  36. Gérard de Nerval (Gérard Labrunie) (1808-1855)
  37. Lorde Alfred Tennyson (1809-1892)
  38. Charles Dickens (1812-1870)
  39. Robert Browning (1812-1889)
  40. Sören Kierkegaard (1813-1855)
  41. Charlotte Brontë (1816-1855)
  42. Emily Jane Brontë (1818-1848)
  43. George Eliot (Mary Ann Evans) (1819-1880)
  44. Herman Melville (1819-1891)
  45. Walt Whitman (1819-1892)
  46. Charles Baudelaire (1821-1867)
  47. Gustave Flaubert (1821-1880)
  48. Fiodor Dostoievski (1821-1881)
  49. Dante Gabriel Rossetti (1828-1882)
  50. Henrik Ibsen (1828-1906)
  51. Leon Tolstoi (1828-1910)
  52. Emily Dickinson (1830-1886)
  53. Christina Rossetti (1830-1894)
  54. Lewis Carroll (Charles Lutwidge Dodgson) (1832-1898)
  55. Mark Twain (Samuel Langhorne Clemens) (1835-1910)
  56. Algernon Charles Swinburne (1837-1909)
  57. Walter Pater (1839-1894)
  58. Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908)
  59. Henry James (1843-1916)
  60. Friedrich Nietzsche (1844-1900)
  61. José Maria Eça de Queirós (1845-1900)
  62. Arthur Rimbaud (1854-1891)
  63. Oscar Wilde (1854-1900)
  64. Sigmund Freud (1856-1939)
  65. Anton Tchekhov (1860-1904)
  66. Edith Wharton (1862-1937)
  67. William Butler Yeats (1865-1939)
  68. Luigi Pirandello (1867-1936)
  69. Marcel Proust (1871-1922)
  70. Paul Valéry (1871-1945)
  71. Willa Cather (1873-1947)
  72. Hugo von Hofmannsthal (1874-1929)
  73. Robert Frost (1874-1963)
  74. Rainer Maria Rilke (1875-1926)
  75. Thomas Mann (1875-1955)
  76. Wallace Stevens (1879-1955)
  77. Virginia Woolf (1882-1941)
  78. James Joyce (1882-1941)
  79. Franz Kafka (1883-1924)
  80. D. H. Lawrence (1885-1930)
  81. Fernando Pessoa (1888-1935)
  82. T. S. Eliot (Thomas Stearns) (1888-1965)
  83. Isaac Babel (1894-1940)
  84. F. Scott Fitzgerald (1896-1940)
  85. Eugenio Montale (1896-1981)
  86. William Faulkner (1897-1962)
  87. Federico Garcia Lorca (1898-1936)
  88. Hart Crane (1899-1932)
  89. Ernest Hemingway (1899-1961)
  90. Jorge Luis Borges (1899-1986)
  91. Luis Cernuda (1902-1963)
  92. Alejo Carpentier (1904-1980)
  93. Samuel Beckett (1906-1989)
  94. Tennessee Williams (1911-1983)
  95. Ralph Waldo Ellison (1914-1994)
  96. Octavio Paz (1914-1998)
  97. Iris Murdoch (1919-1999)
  98. Paul Celan (Paul Antschel) (1920-1970)
  99. Italo Calvino (1923-1985)
  100. Flannery O’Connor (1925-1964)

Fonte: BLOOM, Harold. Gênio: os 100 escritores mais criativos da história da literatura. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2003.

*Harold Bloom é professor titular de Ciências Humanas, na Universidade de Yale, e já ocupou cátedra na Universidade de Harvard. Escreveu mais de 25 livros, entre os quais Hamlet: Poema Ilimitado, Gênio,Como e Por Que Ler, Shakespeare: A Invenção do Humano, O Cânone Ocidental, entre outros. Ganhou o prêmio McArthur, da Academia Norte-Americana de Letras e Artes, e recebeu inúmeras distinções e diplomas honorários, inclusive a Medalha de Ouro de Crítica e Belles Lettres, conferida pela mesma academia, o Prêmio Internacional da Catalunha e o Prêmio Alfonso Reyes, do México. Bloom nasceu em Nova York, em 11 de julho de 1930.

Harold Bloom: guardião apaixonado do cânone ocidental Mark Mahaney/The New York Times/Fotoarena (2011)

Obras de Harold Bloom publicadas no Brasil

:: Anjos caídos. Harold Bloom. [tradução Antonio Nogueira Machado]. Rio Janeiro: Objetiva, 2008.
:: Jesus e Javé: os nomes divinos. Harold Bloom. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2006.
:: Onde encontrar a sabedoria? Harold Bloom. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2005.
:: Hamlet: poema ilimitado. Harold Bloom. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2004.
:: Contos e poemas para crianças extremamente inteligentes de todas as idades. Vol. 1 – Primavera; Vol. 2 – Verão; Vol. 3 – Outono; Vol. 4 – Inverno. Harold Bloom. [tradução José Antonio Arantes]. Rio Janeiro: Objetiva, 2003.
:: Gênio: os 100 escritores mais criativos da história da literatura. Harold Bloom. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2003.
:: A angústia da influência. Harold Bloom. [tradução Marcos Santarrita]. Rio de Janeiro: Imago, 2ª ed., 2002.
:: Como e por que ler. Harold Bloom. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2000.
:: Shakespeare: a invenção do humano. Harold Bloom. [tradução José Roberto O’Shea]. Rio Janeiro: Objetiva, 2003.
:: Um mapa da desleitura. Harold Bloom. [tradução Thelma Médici Nóbrega]. Rio de Janeiro: Imago, 1999; 2ª ed., 2003.
:: Presságios do milênio. Harold Bloom. [tradução Marcos Santarrita]. Rio de Janeiro: Objetiva, 1996.
:: O cânone ocidental: os livros e a escola do tempo. Harold Bloom. [tradução Marcos Santarrita]. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.
:: Poesia e repressão: o revisionismo de Blake a Stevens. Harold Bloom. [tradução Cillu Maia]. Rio de Janeiro: Imago, 1994.
:: Abaixo as verdades sagradas. Harold Bloom. [tradução Alípio Correa de França e Heitor Ferreira da Costa]. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
:: Livro de J. Harold Bloom. [tradução Monique Balbuena]. Rio de Janeiro: Imago, 1992.
:: Cabala e crítica. Harold Bloom. [tradução Monique Balbuena]. Rio de Janeiro: Imago, 1991.
:: A angústia da influência. Harold Bloom. [tradução Arthur Nestrovski]. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

Leia e veja também:

:: 165 grandes poetas da literatura universal: Quantos você conhece?
:: 45 poetas contemporâneos que você precisa conhecer (língua portuguesa)
:: 100 grandes poetas brasileiros que você precisa ler
:: 160 livros essenciais da literatura mundial: Quais você já leu?
:: Autores e temas publicados no Templo Cultural Delfos
:: Escritores e poetas africanos de língua portuguesa publicados no Templo Cultural Delfos

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS





Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar