segunda-feira, julho 22, 2024

Lançamento: “Estrangeiro no País de Mim-Mesmo”, livro do poeta e ficcionista R. Brosso

Poesia lírica, intersígnica e concreta: pesquisador resgata itinerário poético em livro
.
Em “Estrangeiro no País de Mim-Mesmo”, R. Brosso percorre os principais elementos de sua produção literária, que se conecta a nomes como Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Philadelpho Menezes
.
Em Estrangeiro no País de Mim-Mesmo: Balada do Amor Concreto com Credo poético, o poeta, professor, artista plurimídia e ficcionista R. Brosso conduz o leitor pelos paradoxos de sua formação poética. Congregado ao Concretismo desde o início da década de 1980 pela convivência com Décio Pignatari, o autor propõe e resgata marcas líricas do início de sua jornada literária nos anos 1970 – presentes nos primeiros trabalhos e nas suas referências iniciáticas, entre Fernando Pessoa e Vinícius de Moraes.

A partir dessas “invenções”, com sua formação acadêmica composta por um mestrado em Semiótica e um doutorado em Ciências da Comunicação, ele busca romper as ideias pré-estabelecidas sobre o que constitui um poema. Quando era estudante, conviveu com os precursores do movimento concretista no Brasil, inclusive chegou a participar de encontros na casa de Haroldo de Campos. Além disso, por decisão de Décio Pignatari, teve poema visual de sua autoria publicado na Revista Através I (1983), ao lado de nomes como P. Leminski, Nelson Ascher, Régis Bonvicino, Frederico Barbosa e Edgar Braga.

Sempre conectado ao concretismo brasileiro, o escritor, na sequência, enveredou pela produção poética “intersígnica” – tendência que o influencia neste que é seu nono livro. Sendo assim, para a construção das séries ou percursos vigentes no livro, ele se utiliza de um repertório extraído das vanguardas. Essa poesia contemplava elementos textuais, visuais, sonoros e plásticos sem hierarquias, com objetivo de extrapolar os limites da palavra. R. Brosso foi, inclusive, um dos participantes da I Mostra Internacional de Poesia Visual (1988), organizada pelo próprio criador do conceito de intersignos.

meu sentimento
distâncias de prata
segredo seco
fino como nata
acuado num beco
meu sentimento
que por fora douro
é forte como um touro
(Estrangeiro no País de Mim-Mesmo, pg. 32)
*
diamantes bobos no areal
rea  tar  momentar
                 cada des.atar
        romã-amor  amor diz
cicatriz desespelhos os sóis
só espelho se desfaz z.i.a.r 
r.a.i.z   ar de fugaz
     a par sagaz
despertei o mundo real
               arrul.
              .ho  oh  luar
(Estrangeiro no País de Mim-Mesmo, pg.118)
.
Estrangeiro no País de Mim-Mesmo é dedicado a todas as pessoas interessadas em uma literatura contestadora, que propõe debate sobre os padrões de escrita atuais e a tradição. É, ainda, um livro para o público que se encanta pela linguagem do amor e pela demonstração íntima dos sentimentos..

revistaprosaversoearte.com - Lançamento: "Estrangeiro no País de Mim-Mesmo", livro do poeta e ficcionista R. Brosso
capa-do-livro-estrangeiro-no-pais-de-mim-mesmo-rubens-brosso

FICHA TÉCNICA
Título: Estrangeiro no País de Mim-Mesmo: Balada do Amor Concreto com Credo poético
Autor: R. Brosso
Editora: Viseu
ISBN: 978-65-25439-48-8
Páginas: 128
Preço: R$ 52,69 (físico) e R$ 17,45 (e-book)
Onde comprar: Amazon | Viseu

Sobre o autor: Doutor em Ciências da Comunicação, mestre em Semiótica e graduado em Letras. Como poeta, R. Brosso compartilha experiências ao lado de precursores da poesia concreta no Brasil. Participou, por exemplo, da Revista Através 1 devido à iniciativa de Décio Pignatari. Seguindo Ronaldo Azeredo, aproxima-se das artes visuais e do pensamento plástico. Conecta-se ainda à poesia de Mario Faustino com a disposição espacial dos vocábulos e à experimentação de Max Martins. Também integrou a I Mostra Internacional de Poesia Visual, organizada por Philadelpho Menezes, idealizador da poesia intersígnica (elementos verbais e não-verbais). Entre suas publicações literárias, estão “Língua com Asas: poímãs” (2020), “Palavra comePalavra: poesia axial” (2021), “O Grande Nu” (2021), a ficção “Trapézio do Desejo” (2021) e o livro infantil “Menino com uma Flor” (2022). A confluência dos percursos propostos  ̶  (“emoção” versus “experiência poética”) fica como debate sobre a tendência antilírica. Nesta publicação, agora, vislumbra um poema autônomo, num processo contínuo de descoberta. Redes sociais: Instagram


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES