Gilberto Dimenstein, ex-diretor da Sucursal de Brasília e ex-colunista da Folha e criador do site Catraca Livre. Em tratamento contra um câncer de pâncreas - Bruno Santos / Folhapress

O jornalista Gilberto Dimenstein, 63 anos, descobriu neste ano um câncer de pâncreas, com metástase no fígado. Ele conta sobre doenças, tratamentos e mudanças em sua forma de enxergar a vida e como relações humanas.

Sonhei com uma mulher dizendo que eu estava com câncer. Sou super racional, acredito na ciência, na lógica. Mas foi um sonho tão claro que fiquei encasquetado.

Fui aos médicos, fiz colonoscopia, endoscopia, ultrassonografia, não achavam nada, mas eu continuava impressionado. Um gastroenterologista pediu uma tomografia, “só para tirar uma dúvida”.

Às 22h, o resultado começou a demorar. Veio um enfermeiro e perguntou se não sentia muita dor, porque tinha pancreatite, mas eu não sentia nada. Não sentia nada. Procurei na internet: pancreatite dá em quem bebe – sou abstêmico há seis anos – e em quem tem vesícula – que eu já tinha tirado. Era câncer.

No dia seguinte, já estava no hospital. Tirei o tumor bem no comecinho, o que aparentemente era boa notícia.

Mas, passadas três semanas, ele estava no fígado. Fizemos quimioterapia para operar, mas, em vez de parar, o tumor cresceu. Passei quatro meses tantas más notícias … muita febre todo dia, comecei me preparar para a despedida. Foi o meu período pessimista.

Hoje – até difícil falar isso – estou vivendo o momento mais feliz da minha vida. Aquele Gilberto Dimenstein antes do câncer morreu. Nasceu outro.

Câncer é algo que não desejo para ninguém, mas desejo para todos a profundidade que você ganha ao se deparar com o limite da vida. Não queria ter ido embora sem essa experiência.

Grande parte da minha vida foi marcada pelo culto a bobagens: ganhar prêmio, assinar matéria na capa, o tempo todo pensando no próximo furo. É como se estivesse passando por um lugar lindo num trem em alta velocidade, vendo tudo borrado.

Quando você tem um câncer (ainda mais como meu, de metástase e de pâncreas, um tipo muito agressivo), não há alternativa. Ou vive o presente ou sua vida vira um inferno.

E aí começam a aparecer coisas incríveis. Gosto de andar de bicicleta, e começei a sentir o vento no rosto, como se estivesse sendo beijado. Você vê o seu neto deitado com você [Dimenstein tem um neto de dois anos e espera o segundo para daqui a seis meses]. Acorda com os bem-te-vis e escuta os bem-te-vis.

Falar em sentidos é importante, porque meu tratamento tira o gosto, até que a água fica ruim. Com o tratamento, também acaba a vida sexual; você fica impotente.

É uma fase de muitos pesadelos, que melhoram com o canabidiol [composto químico derivado de maconha, liberado para uso medicinal].

Cidinha Carvalho, mãe de Clarian, que tem síndomre de Dravet, cultiva Cannabis para o tratamento da filha, segundo Cidinha, a garota melhorou: antes as crises eram frequentes e duravam horas, hoje aparecem uma ou duas vezes por mês, com convulsões que duram poucos minutos – foto: Karime Xavier/Folha Press

Tudo isso poderia fazer um cara superinfeliz. Mas as relações emocionais se sofisticam. Descobri só agora a profundidade da relação homem-mulher. Você está com enjoos, dores não apenas físicas, e a pessoa do seu lado o tempo todo. Não conhecia essa cumplicidade nesse nível.

Nós vivemos nos meios digitais a era da indelicadeza, 500 mil pessoas críticando. Eu acabei entrando no mundo das gentilezas. Cada pessoa tem uma palavra, um chá, uma dica de oração, um olhar gentil. O outro mundo vai ficando ridículo.

Com ou sem câncer vamos todos morrer, e se pudermos antecipar essa sensação, vamos evitar várias bobagens. A clareza maior da morte é uma dádiva. Não é o fim, mas um começo.

Pode ser o começo de um belo fim de vida, viver esses momentos com a família, ou um pit stop para voltar melhor. O cara tem que ser muito, muito, muito idiota para não voltar melhor.

Não é que eu ache quem morrer é bom, mas você começa a questionar por que existe, e a conclusão é que, se não puder escolher como entramos na vida, podemos decidir como sair dela.

Quando o médico me disse que estava com câncer, passou um dia, dois, três, e não tive medo. Só temia o impacto da minha morte nos outros. Não me senti desesperado. Nada, nada, nada. Até me espantei comigo mesmo.

Em inglês, se chama “surrender” [render-se]. Você não está mais no comando, e isso é motivo de alívio. De felicidade, até.

Descobri que meu pavor era passar a vida sem propósito. Olhei para trás, e, apesar de todas as minhas delinquências – que não foram poucas -, acho que fiz mais bem que mal. Mudei minha carreira para fazer um jornalismo que não é filantropia nem altruísmo, mas sim empoderamento, usar uma comunicação para promover causas.

Não inventei nada, o comunicador não faz o vinho. Mas tira a rolha.

Gilberto Dimenstein fala sobre como encarar a doença e o uso medicinal de maconha, entre outras coisas sobre sua trajetória – Bruno Santos / Folhapress

Acabei sendo obrigado a deixar esse jornalista racional, imparcial. Deixei de ser espectador e passei a ser torcedor. Você vira um eunuco como jornalista, porque passa a querer dar uma boa notícia.

Já antes do câncer tinha começado minha “quimioterapia social”, na Orquestra Sinfônica de Heliópolis [de cujo conselho Dimenstein é presidente], que esteve perto de fechar. Em nenhum momento neste ano parei de trabalhar, arrecadar fundos, promover esse e outros projetos que acompanho. Não é bondade, é conexão com a vida.

O evangelho segundo são João diz “No princípio era o verbo”. É uma palavra que gera poder, e nós, comunicadores, trabalhamos com isso, podemos fazer as pessoas poderosas trabalharem juntas.

Hoje há um enorme desperdício. Há um ditado árabe maravilhoso, “gavião não voa em bando”, ainda mais perfeito em inglês “eagles don’t fly together” – eagles tem o mesmo som de egos. Cada um quer ter seu legado, sua placa, seu projeto. Um secretário não trabalha com outro, a prefeitura não trabalha com o estado, um dinheiro enorme sai pelo ralo, sem meta, sem avaliação, sem trabalho articulado, uma catástrofe.

O mundo é como um corpo humano. Há pessoas que espalham infecções, se xingam, se odeiam. [O presidente dos EUA, Donald] Trump e [o presidente brasileiro, Jair] Bolsonaro não craram isso, mas sintetizam essa cultura da infecção, do ódio, do confronto. E há glóbulos brancos, as pessoas que não deixam o mundo acabar, que inventaram uma anestesia o antibiótico, descobriram uma dupla hélice no DNA.

Meu tumor passou por análise genética – recebi o resultado ontem [sexta, 27] -, e sou um caso de 1% que mutação talvez tenha um tratamento promissor. Em ratos, eliminaram o câncer de pâncreas, e estão começando a testar em humanos, procurando uma dose certa. Já me dispus a fazer parte dos testes no Brasil.

É até meio canalha, mas penso “será que eu vou ajudar a encontrar a cura?”. Para um jornalista que gosta de furos, você pode transformar num furo de si mesmo é incrível, né? Mas para ajudar os outros.

Voltei a ficar otimista. Ganhei da minha mulher dois ingressos para ver o [músico] Bobby McFerrin nos EUA, em maio. Já estou com planos para o ano que vem. Você volta a ter projetos, é uma vida voltando a circular. Eu acho que tenho muita chance, muita chance.

Vida após a morte? Se for igual a esta, prefiro que não exista. Se eu acordasse e estivessem lá Trump, Bolsonaro, [primeiro ministro da Hungria, Viktor] Orbán, não sei se queria, não [risos].

*Com informações da Folha de S. Paulo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS





Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar