Beethoven - 250 anos

Nenhum país tem tantas orquestras, corais e óperas como a Alemanha. E nenhum investe tanto nisso: em 2019 foram 3 bilhões de euros só para a música clássica. Há listas de espera para estudar em escolas de música e jardins de infância com educação musical. “A educação e a cultura são para nós tarefas de responsabilidade pública.”

Alemanha, Meca da música clássica

Nenhum país tem tantas orquestras, corais e teatros como a Alemanha. E nenhum investe tanto nisso: em 2019 foram 3 bilhões de euros só para a música clássica. Em 2020, é a vez de celebrar o 250º aniversário de Beethoven.

Nomes como Goethe, Schiller, Kant e Schopenhauer contribuíram para a reputação mundial da Alemanha como país de poetas e pensadores. Compositores como Bach, Beethoven e Brahms fizeram de sua terra natal um país de gênios musicais. Beethoven é considerado o compositor clássico mais conhecido internacionalmente. Por ocasião do 250º aniversário do seu nascimento, orquestras de todo o mundo vão apresentar as suas obras, especialmente ao longo de 2020 na Alemanha.

A densidade única da paisagem de corais, orquestras e teatros, bem como o forte investimento em cultura, fazem da Alemanha a Meca da música clássica. “Quanto mais me afasto da Alemanha, mais admiração desperta”, diz Christian Höppner, secretário-geral do Conselho Alemão de Música. “Por exemplo, no Brasil, a Alemanha é vista como um ‘país da música’ muito mais intensamente do que em nossos vizinhos diretos”, diz ele. O Conselho Alemão de Música é a associação que representa os interesses de cerca de 14 milhões de pessoas que fazem música na Alemanha.

De acordo com dados da União das Orquestras Alemãs, em 2018 havia 129 orquestras públicas espalhadas por todo o país. Formações como a Filarmônica de Berlim, a Staatskapelle em Dresden e a Orquestra Gewandhaus em Leipzig estão entre as melhores do mundo. E essa paisagem orquestral densa não inclui conjuntos de câmara de renome e conjuntos de música antiga e contemporânea, como a Filarmônica de Câmara de Bremen, Concerto Köln e o Ensemble Modern. Nem as várias orquestras juvenis.

A Alemanha também é especial quando se trata de casas de música: o país tem mais de 80 conjuntos de ópera estáveis, quase tantos como no resto do mundo. A maioria das cerca de 560 casas de ópera do mundo funciona numa base temporária, ou seja, não têm corpos estáveis, mas contratam cantores ou produções inteiras durante um período de tempo definido.

Os críticos questionam repetidamente se são necessárias tantas orquestras e casas de ópera subsidiadas na Alemanha. “Nunca são suficientes”, diz Christian Höppner, que defende a diversidade cultural, tornando cada orquestra e cada teatro insubstituíveis.

Estátuas de Beethoven em Bonn, cidade onde o compositor nasceu no oeste alemão

Esta diversidade cultural demanda financiamento adequado. Em nenhum outro lugar do mundo a cultura é subsidiada de tal forma pelo Estado como na Alemanha: mais de 10 bilhões de euros foram investidos em 2019 para apoiar instituições culturais. Destes, mais de 3 bilhões de euros foram destinados à música e à ópera. Tanto os municípios como os estados contribuem substancialmente para o financiamento da música, que também recebe fundos da União Europeia (UE), de empresas, fundações e particulares.

“A educação e a cultura são para nós tarefas de responsabilidade pública e, portanto, recebem principalmente financiamento público”, diz Christian Höppner. Em países como os Estados Unidos, a promoção da cultura é quase inteiramente privada. “O dinheiro privado vem sempre das mãos dos interesses”, afirma Höppner. Isso pode ser visto nos EUA, onde os clientes ricos podem influenciar a programação. Na Alemanha, os órgãos legislativos controlam o financiamento, mas não o conteúdo.

Segundo dados do Centro Alemão de Informação Musical (MIZ), o número de festivais de música quadruplicou entre 1980 e 2010. Existem atualmente mais de 500 eventos desse tipo. Quase um terço deles concentra-se na chamada “E-Musik” (“Ernst-Musik”, música séria): da música contemporânea, como o Donaueschinger Musiktage, à música antiga, aos festivais de música de câmara e aos que apresentam um único instrumento, como o Festival de Piano do Ruhr.

Há também festivais dedicados à ópera e ao teatro musical, como o Festival de Munique, a Trienal do Ruhr e o exótico – para a Alemanha – Festival Rossini, na Floresta Negra, dedicado ao bel canto.

A popularidade dos festivais alemães floresce: em 2019, 73 mil visitantes da Europa e de outras partes do mundo compareceram ao Festival de Bach em Leipzig. Mais de 62 mil fãs vão aos concertos wagnerianos em Bayreuth todos os verões. Muitos deles tiveram que esperar anos para conseguir um cobiçado bilhete.

Outros festivais importantes são os de Rhingau e de Schleswig-Holstein. Em 2020, a Beethovenfest, em Bonn, distribuirá os seus concertos entre a primavera e o outono europeus. A sociedade BTHVN, para comemorar o aniversário do gênio de Bonn, promove 250 projetos em torno da sua figura em todo o país e tem 30 milhões de euros para fazê-lo.

Pelo menos de acordo com as estatísticas, os alemães adoram música clássica. Dos quase 83 milhões de habitantes, cerca de 14 milhões tocam um instrumento ou cantam num coro. Uma em cada seis famílias toca um ou mais instrumentos. Há listas de espera para estudar em escolas de música e jardins de infância com educação musical. Em todo o país existem quase mil escolas públicas de música, frequentadas por quase 1,5 milhão de crianças e jovens. Mas a música também é aprendida em jardins de infância e escolas.

Nem todos os alemães gostam de uma educação musical, mas gostam de ouvir música. Segundo dados do Conselho Alemão de Música, 33% dos alemães dizem gostar de música clássica. Apenas na Rússia e no Japão existem valores igualmente elevados.

Os chamados concertos participativos, nos quais os espectadores podem cantar, estão se tornando cada vez mais populares. No ano do 250º aniversário do nascimento de Beethoven, a Ode à Alegria de Friedrich Schiller é certamente um dos textos mais entoados. Ludwig van Beethoven musicou-o no último movimento da sua Nona Sinfonia. A versão instrumental é o Hino Europeu desde 1971. Já existem anúncios na internet para participar de shows onde o público também canta.

______________
Fonte: DW
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS





Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar