sábado, junho 15, 2024

Álbum ‘Alma Brasileira – Iuri Bittar interpreta Nazareth e Radamés’

Alma Brasileira – Iuri Bittar interpreta Nazareth e Radamés. O violonista apresenta arranjos inéditos para obras dos mestres brasileiros.
.
Com a chancela de nomes como Guinga e Maurício Carrilho, o violonista, compositor e produtor musical Iuri Bittar está lançando Alma Brasileira, álbum que apresenta arranjos inéditos do músico para obras de Ernesto Nazareth e Radamés Gnattali, mestres da música brasileira, em especial do choro. O projeto, primeiro álbum de violão solo de Iuri Bittar, está nas plataformas de música, pela gravadora Biscoito Fino, junto com o videoclipe do tema “Escorregando” (Ernesto Nazareth).
.
A escolha por Ernesto Nazareth e Radamés Gnattali aconteceu quando Iuri Bittar descobriu a profunda conexão artística entre os dois compositores: “Eu já estava debruçado em alguns arranjos para peças do Nazareth, quando encontrei uma partitura de ‘Alma Brasileira’, do Radamés. Nunca tinha ouvido aquele choro e o tema da segunda parte me lembrou ‘Nenê’, de Nazareth. Comecei a pesquisar mais e encontrei um vídeo no YouTube de um programa comandado por Tom Jobim, na TV Manchete, no qual Radamés falava muito sobre Nazareth, usando exatamente o choro ‘Nenê’ para demonstrar a Jobim o apreço que tinha pela escrita do pianista. Lembrei da homenagem feita por Radamés na suíte ‘Retratos’, na qual dedica o segundo movimento a Nazareth, e a partir daí a ideia do disco foi tomando forma”, pontua Iuri.

O álbum, que tem direção musical de Ricardo Dias, conta com três convidados: os violonistas João Camarero, Paulo Aragão e Vicente Paschoal. Em Alma Brasileira, Iuri Bittar une sua vasta experiência como violonista de choro a um minucioso trabalho de arranjo e adaptação ao violão de peças originalmente compostas para piano por Nazareth e Radamés.
.
O resultado é uma série de arranjos para choros, tangos, valsas e sambas que, segundo depoimento do violonista João Camarero, “vêm para contribuir muito para a literatura do violão brasileiro“. Para Bittar, o principal desafio foi manter as características fundamentais que fazem dessas peças verdadeiras obras-primas e, ao mesmo tempo, conseguir uma escrita e uma sonoridade características do violão.

“É quase tentar fazer parecer que tais obras tenham sido de fato escritas para violão. Não sei se consegui, mas sempre foi meu objetivo”, define Iuri, que acredita que o choro esteja sendo mais difundido atualmente do que em décadas passadas. “O choro sempre foi uma música muito viva no Brasil.
.
Talvez, entre as décadas de 1970 e 1990, o mercado da música tenha investido pouco na produção de discos de choro, mas com a ascensão da internet, o trabalho de músicos e conjuntos pôde alcançar mais pessoas. Sendo o choro um gênero musical muito cativante, é natural que esse contato tenha aumentado o interesse pela prática musical”, finaliza Iuri Bittar, que integra o corpo docente da Escola Portátil de Música e do Instituto Casa do Choro, há mais de dez anos.

revistaprosaversoearte.com - Álbum 'Alma Brasileira - Iuri Bittar interpreta Nazareth e Radamés'
Capa do álbum ‘Alma Brasileira – Iuri Bittar interpreta Nazareth e Radamés’• Iuri Bittar • Biscoito Fino • 2022

DISCO ‘ALMA BRASILEIRA – IURI BITTAR INTERPRETA NAZARETH E RADAMÉS’ • Iuri Bittar • Biscoito Fino • 2022
Músicas / compositores
1. Alma brasileira (Radamés Gnattali)
2. Escorregando (Ernesto Nazareth)
3. Brasiliana nº 13 – II Movimento (Radamés Gnattali) / Valsa
4. Brasiliana nº 13 – III Movimento (Radamés Gnattali) / Choro
5. Maly (Ernesto Nazareth)
6. Floraux (Ernesto Nazareth)
7. Suíte retratos – II Movimento Ernesto Nazareth (Radamés Gnattali) / Valsa
8. Myosótis (Ernesto Nazareth)
9. Plangente (Ernesto Nazareth)
10. Bolacha queimada (Radamés Gnattali)
– ficha técnica –
Iuri Bittar (violão – fx. 1-10) | Participação especial: João Camarero (violão – fx. 5 e 10) | Vicente Paschoal (violão – fx. 5 e 7) | Paulo Aragão (violão – fx. 5) | | Técnico de gravação e mixagem: João Ferraz | Gravado e mixado no estúdio Lontra Music – Rio de Janeiro/RJ, entre outubro e dezembro de 2021 | Técnico de masterização: João Ferraz | Produção executiva e texto de encarte: Iuri Bittar | Direção musical e direção de fotografia: Ricardo Dias | Arranjos: Iuri Bittar (1-10) / Exceto: Paulo Aragão (fx. 5) | Fotos: Pedro Veríssimo | Design gráfico e fotografia: Gabi Lopes || Biscoito FinoDireção geral: Kati Almeida Braga | Direção artística: Olivia Hime | Produção executiva: Jorge Lopes | Gerência de A&R: Rafael Freire | Gerência de marketing: Marcela Maia || Selo: Biscoito Fino | Cat.: BF10002 | Formato: CD / Digital | Ano: 2022 | Lançamento: 1 de julho | #* Ouça o álbum: clique aqui.
.
>> Iuri Bittar na rede: Instagram | Youtube | Facebook.
.
Série: Discografia da Música Brasileira / MPB / Música instrumental.
* Publicado por ©Elfi Kürten Fenske


ACOMPANHE NOSSAS REDES

DESTAQUES

 

ARTIGOS RECENTES