Língua Portuguesa
Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela…

Amo-te assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arrolo da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!
– Olavo Bilac, em ‘Tarde’, 1919.

SOTAQUES
Do Brasil à Índia, de Portugal a Moçambique, passando por Timor, Cabo Verde e Angola. Diferentes sotaques dão voz à leitura do livro infantil ‘O Paraíso São os Outros’, de Valter Hugo Mãe. O vídeo é do cineasta Miguel Gonçalves Mendes, responsável por produções como José e Pilar e Autobiografia, e serve para a Porto Editora assinalar o ‘Dia da Língua Portuguesa’, 5 de Maio. A língua portuguesa é falada por 261 milhões de pessoas em todo o mundo.

A língua portuguesa é comum a todos, mas a leitura desvenda os sotaques que espelham a diversidade do português pelo mundo.

Fonte: jornal Público/pt.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS