Paul Gauguin - tahitian pastorale. 1898

Então olhou para mim. Pensava que olhava para mim pela primeira vez. Mas então, quando se virou por trás do abajur, e eu continuava sentindo sobre o ombro, nas minhas costas, seu escorregadio e oleoso olhar, compreendi que era eu quem a olhava pela primeira vez. Acendi um cigarro. Traguei a fumaça áspera e forte, antes de fazer girar a cadeira, equilibrando-a sobre uma das pernas posteriores. Depois disso a vi ali, como havia estado todas as noites, de pé junto ao abajur, me olhando. Durante breves minutos não fizemos nada mais que isto: olhar-nos. Eu, olhando-a da cadeira, equilibrando-me numa das pernas traseiras. Ela, em pé, me olhando, com uma das mãos, comprida e quieta, sobre o abajur. Via as pálpebras iluminadas como todas as noites. Foi então que lembrei o de sempre, quando lhe disse: “Olhos de cão azul”. Ela me disse, sem tirar a mão do abajur: “Isso. Já não o esqueceremos nunca”. Saiu da órbita suspirando: “Olhos de cão azul. Escrevi isso por todas as partes”.

Vi-a caminhar em direção à cômoda. Vi-a aparecer na lua circular do espelho, olhando-me agora no final duma ida e volta de luz matemática. Vi-a continuar me olhando com seus grandes olhos de cinza acesa: olhando-me enquanto abria uma caixinha revestida de nácar rosado. Vi-a passar pó-de-arroz no nariz. Quando acabou de fazer isso, fechou a caixinha e voltou a ficar em pé e andou novamente em direção ao abajur, dizendo: “Temo que alguém sonhe com este quarto e mexa nas minhas coisas”; e estendeu sobre a chama a mão comprida e trêmula, a mesma que estivera esquentando antes de sentar-se em frente ao espelho. E me disse: “Você não sente o frio”. E eu lhe disse: “Às vezes”. E ela me disse: “Você deve senti-lo agora”. E então compreendi por que não tinha podido ficar sozinho na cadeira. Era o frio o que me dava certeza da minha solidão. “Agora o sinto”, disse. “E é raro, porque a noite está quieta. Talvez o lençol tenha rodado”. Ela não respondeu. Começou a se mexer em direção ao espelho e voltei a girar sobre a cadeira para ficar de costas para ela. Embora sem vê-Ia, sabia o que estava fazendo. Sabia que estava outra vez sentada diante do espelho, vendo minhas costas, que haviam tido tempo para chegar até o fundo do espelho, e serem encontradas pelo seu olhar, que também havia tido o tempo justo para chegar até o fundo e regressar antes que a mão tivesse tempo de iniciar a segunda virada — até os lábios que estavam agora pintados de carmim, da primeira virada da mão em frente ao espelho. Eu via, à minha frente, a parede lisa, que era como outro espelho cego, onde eu não a via sentada às minhas costas, mas imaginando onde estaria, se no lugar da parede tivesse sido colocado um espelho. “Estou vendo você”, disse-lhe. E vi, na parede, como se ela tivesse levantado os olhos e me visto de costas na cadeira, ao fundo do espelho, com o rosto voltado para a parede. Depois vi-a abaixar as pálpebras, outra vez, e ficar com os olhos quietos no seu sutiã, sem falar. E voltei a lhe dizer: “Estou vendo você.” E ela voltou a levantar os olhos do sutiã. “É impossível”, disse. Eu perguntei por quê. E ela, com os olhos outra vez quietos no sutiã: “Porque você tem o rosto voltado para a parede”. Então eu fiz girar a cadeira. Tinha o cigarro apertado na boca. Quando fiquei de frente para o espelho, ela estava outra vez junto do abajur. Agora tinha as mãos abertas sobre a chama, como duas asas abertas de galinha, sendo assada, e com o rosto sombreado pelos próprios dedos. “Acho que vou me resfriar”, disse. “Esta deve ser uma cidade gelada”. Voltou o rosto de perfil e sua pele de cobre vermelho se tornou repentinamente triste. “Faça alguma coisa contra isso”, disse. E ela começou a tirar a roupa, peça por peça, começando por cima; pelo sutiã. Disse-lhe: “Vou me virar para a parede”. Ela disse: “Não. De todas as maneiras você vai me ver, como me viu quando estava de costas”. Mal tinha acabado de dizer isso e já estava despida quase por completo, com a chama lambendo-lhe a comprida pele de cobre. “Sempre tinha querido ver você assim, com o couro da barriga cheio de buracos fundos, como se houvessem feito você a pauladas”. E antes que eu me desse conta de que minhas palavras se tinham tornado torpes diante da sua nudez, ela ficou imóvel, esquentando-se na órbita do abajur, e disse: “Às vezes creio que sou metálica”. Manteve o silêncio por um instante. A posição das mãos sobre a chama mudou levemente. Eu disse: “Às vezes, em outros sonhos, pensei que você é apenas uma estatueta de bronze num canto de algum museu. Talvez por isso sinta frio”. E ela disse: “Às vezes, quando durmo sobre o coração, sinto que o corpo fica como um ovo, e a pele como uma lâmina. Então, quando o sangue me bate por dentro, é como se alguém me estivesse chamando com os nós dos dedos na barriga, e sinto meu próprio som de cobre na cama. É como se fosse assim como você diz: de metal laminado”. Aproximou-se mais do abajur. “Teria gostado de ouvir você”, disse. E ela disse: “Se alguma vez nos encontrarmos ponha o ouvido nas minhas costelas, quando eu dormir sobre o lado esquerdo, e me ouvirá ressonar. Sempre desejei que você alguma vez fizesse isso”. Ouvi-a respirar fundo enquanto falava. E disse que durante anos não tinha feito nada diferente disso. Sua vida estava dedicada a me encontrar na realidade, por meio dessa frase identificadora. “Olhos de cão azul.” E na rua ia dizendo em voz alta, que era uma maneira de dizer à única pessoa que teria podido compreendê-la:

“Eu sou a que chega em seus sonhos todas as noites e lhe diz isto: olhos de cão azul”. E ela disse que ia aos restaurantes e dizia para os garçons, antes de fazer o pedido: “Olhos de cão azul”. Mas os garçons lhe faziam uma respeitosa reverência, sem que houvessem lembrado nunca ter dito isso nos seus sonhos. Depois escrevia nos guardanapos e riscava com a faca o verniz das mesas: “Olhos de cão azul”. E nos cristais embaçados dos hotéis, das estações, de todos os edifícios públicos, escrevia com o indicador: “Olhos de cão azul”. Disse que uma vez chegou a uma drogaria e percebeu o mesmo cheiro que tinha sentido no seu quarto uma noite, depois de ter sonhado comigo: “Deve estar perto”, pensou, vendo a cerâmica limpa e nova da drogaria. Então se aproximou do vendedor e lhe disse: “Sempre sonho com um homem que me disse: “Olhos de cão azul”. E disse que o vendedor a havia olhado nos olhos e dito: “Na verdade, moça, a senhora tem os olhos assim”. E ela disse: “Preciso encontrar o homem que me diz isso nos sonhos”. E o vendedor começou a rir e foi para o outro lado do balcão. Ela permaneceu olhando o ladrilho limpo do chão e sentindo o cheiro. E abriu a bolsa e se ajoelhou e escreveu com o batom sobre o ladrilho, com grandes letras vermelhas: “Olhos de cão azul”. O vendedor regressou de onde se encontrava. Disse-lhe: “Moça, a senhora sujou o ladrilho”. Deu-­lhe um pano úmido, dizendo: “Limpe-o”. E ela disse, ainda junto ao abajur, que passou a tarde toda agachada, lavando o ladrilho e dizendo: “Olhos de cão azul”, até que as pessoas se aglomeraram na porta e disseram que estava louca.

Agora, quando acabou de falar, eu continuava no canto, sentado, equilibrando-me na cadeira. “Tento me lembrar todos os dias da frase com que preciso encontrar você”, disse. “Agora creio que amanhã não a esquecerei. Mas sempre esqueço ao acordar quais são as palavras com que posso encontrar você”. E ela disse: “Você mesmo as inventou desde o primeiro dia”. E eu lhe disse: “Inventei-as porque vi seus olhos cor de cinza. Mas nunca me lembro delas na manhã seguinte.” E ela, com os punhos fechados junto ao abajur, respirou fundo: “Se pelo menos pudesse recordar agora em que cidade estive escrevendo isso”.

Seus dentes apertados resplandeceram sobre a chama. “Eu gostaria de tocar em você agora”, disse. Ela levantou o rosto que estivera olhando a luz: levantou o olhar ardente, assando-se também do mesmo jeito que ela, do mesmo jeito que suas mãos: e eu senti que me viu, no canto, onde continuava sentado, me balançando na cadeira. “Você nunca me tinha dito isso”, disse. “Agora digo, e é verdade”, disse. Do outro lado do abajur ela me pediu um cigarro. O toco tinha desaparecido dos meus dedos. Esquecera que estava fumando. Disse: “Não sei por quê, não posso lembrar onde o escrevi”. E eu lhe disse: “Pela mesma razão pela qual eu não poderei lembrar as palavras amanhã”. E ela disse, triste: “Não. É que às vezes creio que também sonhei isso”. Fiquei em pé e andei até o abajur. Ela estava um pouco mais para lá, e eu continuava andando, com os cigarros e os fósforos na mão, e não passaria o abajur. Aproximei dela o cigarro. Ela o apertou entre os lábios e se inclinou para atingir a chama, antes que eu tivesse tempo de acender o fósforo. “Em alguma cidade do mundo, em todas as paredes, têm que estar escritas estas palavras: ‘Olhos de cão azul”, disse. “Se amanhã me lembrasse delas iria buscar você”. Ela levantou outra vez a cabeça e já tinha a brasa acesa nos lábios.”Olhos de cão azul”, suspirou, recordando, com o cigarro jogado sobre o queixo e um olho semifechado. Aspirou a fumaça, com o cigarro entre os dedos, e exclamou: “Já isto é outra coisa. Estou me sentindo mais quente”. E disse-o com a voz um pouco morna e fugidia, como se não o tivesse dito realmente, mas como se houvesse aproximado o papel à chama enquanto eu lia: “Estou entrando — e ela tivesse continuado com o papelzinho entre o polegar e o indicador, virando-o, enquanto ia se consumindo e eu acabava de ler — ­… mais quente”, antes que o papelzinho se consumisse por completo e caísse ao chão amassado, diminuído, convertido num leve pó de cinza. “Assim, é melhor”, disse. “Às vezes me dá medo ver você assim. Tremendo junto ao abajur”.

Há vários anos nos víamos. Às vezes, quando já estávamos juntos, alguém deixava cair lá fora uma colherinha e acordávamos. Pouco a pouco íamos compreendendo que nossa amizade estava subordinada às coisas, aos acontecimentos mais simples. Nossos encontros terminavam sempre assim, com o cair de uma colherzinha na madrugada.

Agora, junto ao abajur, estava me olhando. Eu lembrava que antes também me havia olhado assim, desde aquele remoto sonho em que fiz a cadeira girar sobre as pernas traseiras e fiquei diante de uma desconhecida de olhos cinzentos. Foi nesse sonho que perguntei a ela pela primeira vez:”Quem é a senhora?” E ela me disse: “Não lembro”. Eu lhe disse: “Mas acredito que nos vimos antes”. E ela disse, indiferente: “Creio que alguma vez sonhei com o senhor, com este mesmo quarto”. E eu lhe disse: “É isso. Já começo a lembrar”. E ela disse: “Que curioso. É verdade que temos nos encontrado em outros sonhos”.

Deu duas chupadas no cigarro. Eu estava ainda em pé em frente ao abajur, quando fiquei olhando para ela de repente. Olhei-a de cima a baixo e ainda era de cobre; mas já não de metal duro e frio, senão de cobre amarelo, macio, maleável. “Gostaria de tocar em você”, voltei a dizer. E ela disse: “Você jogaria tudo por água abaixo”, voltou a dizer, antes que eu pudesse tocá-la. “Talvez, se você se virar por trás do abajur, acordaríamos sobressaltados quem sabe em que parte do mundo”. Mas eu insisti: “Não importa”. E ela disse:”Se virássemos o travesseiro, voltaríamos a nos encontrar. Mas você, quando acordar, terá esquecido tudo”. Comecei a me mexer em direção ao canto. Ela ficou por trás, esquentando as mãos sobre a chama. E eu ainda não estava junto da cadeira quando a ouvi falar às minhas costas: “Quando acordo à meia-noite, fico revirando-me na cama, com os fios do travesseiro ardendo no joelho e repetindo até o amanhecer: ‘Olhos de cão azul'”.

Então fiquei com o rosto na parede. “Já está amanhecendo”, disse sem olhar para ela. “Quando deram duas da manhã, estava acordado, já fazia bastante tempo.” Dirigi-me até a porta. Quando tinha pegado a maçaneta, ouvi outra vez sua voz igual, invariável: “Não abra essa porta”, disse. “O corredor está cheio de sonhos difíceis”. E eu lhe disse: “Como você sabe disso?” E ela me disse: “Porque há pouco estive ali e tive que voltar quando descobri que estava dormindo sobre o coração”. Eu mantinha a porta entreaberta. Movi um pouco o batente, e um ar frio e tênue me trouxe um cheiro fresco de terra vegetal, de campo úmido. Ela falou outra vez, virei-me, mexendo ainda o batente montado em gonzos silenciosos, e lhe disse: “Creio que não há nenhum corredor aqui fora. Sinto o cheiro do campo”. E ela,já um pouco longe, me disse: “Conheço isso mais do que você. O que acontece é que lá fora há uma mulher sonhando com o campo”. Cruzou os braços sobre a chama. Continuou falando: “É essa mulher que sempre desejou ter uma casa no campo e nunca pôde sair da cidade”. Eu lembrava ter visto a mulher num outro sonho anterior, mas sabia, já com a porta entreaberta, que dentro de meia hora tinha que descer para o café da manhã. E lhe disse: “De todas maneiras, tenho que sair daqui para acordar”.

Lá fora o vento bateu um instante, ficou quieto depois, e ouviu-se a respiração de alguém adormecido que acabava de virar-se na cama. O vento do campo suspendeu-se. Já não houve mais odores. “Amanhã vou reconhecer você por isso”, disse. “Vou reconhecê-la quando vir na rua uma mulher que escreva nas paredes: ‘Olhos de cão azul'”. E ela, com um sorriso triste — que já era um sorriso de entrega ao impossível, ao inatingível —, disse: “Não obstante, você não lembrará nada durante o dia”. E voltou a pôr as mãos sobre o abajur, com a expressão obscurecida por uma névoa amarga: “Você é o único homem que, ao acordar, não se lembra nada do que sonhou”.

– Gabriel García Márquez, no livro “Contos Latino Americanos Eternos”. [organização e tradução de Alicia Ramal]. Rio de Janeiro: Editora Bom Texto, 2005.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS