Zygmunt Bauman, O sociólogo da modernidade líquida

Zygmunt Bauman, sociólogo e filósofo polonês, morreu nesta segunda-feira (9/1/2017), aos 91 anos, em Leeds, na Inglaterra, onde vivia há anos, segundo informou o jornal de seu país de origem, Gazeta Wyborzca. Era considerado um dos intelectuais mais importantes do século XX, tendo se mantido ativo e trabalhando até os últimos momentos de sua vida.

“nossos acordos são temporários, passageiros, válidos apenas até novo aviso”

Foi um grande pensador da modernidade, a qual qualificou tão bem com o célebre conceito de “liquidez”. Perspicaz analista dos fatos cotidianos, o sociólogo tem vasta obra sobre temas contemporâneos, com destaque para o best-seller Amor líquido, fundamental para a compreensão das relações afetivas no mundo atual.

Bauman nasceu na Polônia e mora na Inglaterra desde 1971. Professor emérito das universidades de Varsóvia e Leeds, tem mais de trinta livros publicados no Brasil pela Zahar, com enorme sucesso de público.

Em seu último livro, “Obcym u naszych drzwi”, publicado em 2016, o professor discutiu a crise da imigração mundial e o pânico por ela causado. Seu último livro traduzido para o português no Brasil foi “A riqueza de poucos beneficia todos nós?”, lançado em 2015.

Fonte: El País Brasil | Zahar Editora

Saiba mais sobre Zygmunt Bauman:
Zygmunt Bauman: “As redes sociais são uma armadilha”
Zygmunt Bauman – vivemos tempos líquidos

COMPARTILHAR
Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar



COMENTÁRIOS