The Musicians - Caravaggio, (ca. 1595)

O Museu Metropolitano de Nova York (Met), uma das instituições de arte mais importantes do mundo, anunciou na última terça-feira (7/2/2017), através de um comunicado, sua decisão de liberar cerca de 375.000 obras de seu catálogo digital como imagens de domínio público. Graças a essa nova política de acesso, as peças já estão disponíveis online sob uma licença Creative Commons Zero (CC0), que permite a qualquer pessoa baixar, usar e modificar as obras sem restrições e sem precisar atribuí-las ao autor original.

O diretor do museu, Thomas P. Campbell, explica que essa mudança transforma o Museu Metropolitano em “uma das maiores e mais diversificadas coleções de acesso aberto do mundo”, abrangendo 5.000 anos de história da arte de todo o mundo. Seu conteúdo é, como explica o Met, produto de horas de trabalho dedicadas a digitalizar o catálogo do museu na íntegra, 147 anos. Um rigoroso trabalho feito por fotógrafos, técnicos, curadores e até mesmo estagiários que passaram por suas salas.

Nomes como Botticelli, Degas, Hokusai e Rodin são alguns que vão aparecer nesse banco de dados que levará o Met a se juntar à lista de museus com coleções digitais sob licença CC0. É encabeçada pelo Walters Art Museum, da cidade de Baltimore, que em 2012 adotou a mesma política ao liberar cerca de 18.000 imagens. Foi seguido por instituições como o Rijksmuseum de Amsterdã, a Tate Gallery de Londres e, mais recentemente, pelo MoMA de Nova York, com 120.000 imagens.

Loic Tallon, diretor digital do museu, comentou que esta decisão é “um emocionante marco na evolução digital do Met”. Isso é corroborado pelas novas colaborações anunciadas pelo museu na mesma terça-feira. Creative Commons não será o único aliado: também vai contar com a ajuda de outras entidades como a Biblioteca Digital Pública dos Estados Unidos, Artstor, Wikimedia e Pinterest. Juntos, vão trabalhar no projeto do museu para conseguir expandir seu público além dos 30 milhões de usuários que já visitam seu site, abrindo as portas digitais para todos os públicos possíveis.

As imagens agora partilhadas pelo Museu Metropolitano de Nova York (Met) não abrangem todo o espólio do museu – são apenas de obras classificadas como de domínio público.

Todas as imagens disponíveis através da nova política podem ser visualizadas no site do Museu Metropolitano de Nova York (Met). Basta marcar a opção “Public Domain Artworks” em “Mostrar apenas” e iniciar a pesquisa. As imagens abertas estão identificadas pela sigla logo abaixo de sua miniatura.

Honoré Daumier – The Third-Class Carriage, (ca. 1862–64)
Vincent van Gogh, Sunflowers (1887) – Acervo Metropolitan Museum of Art

De acordo com o diretor do museu, Thomas P. Campbell, a ideia faz parte da nova política de acesso livre à arte. “Nos unimos a um número cada vez maior de museus que fornecem acesso gratuito a imagens de domínio público”.

“Ao fazer imagens das nossas obras de domínio público e ao disponibilizar também informação sobre elas, através de Creative Commons Zero, o Museu está adaptando às necessidades das audiências do século 21. O Metropolitan Museum of Art tem agora uma das maiores e mais diversas coleções de museu de acesso aberto do mundo”

Jules Bastien-Lepage – Joan of Arc Hearing Voices, (1879) – Acervo Metropolitan Museum of Art
John Singer Sargent (1856–1925) – Acervo Metropolitan Museum of Art
Estátua da Era de Bronze, 2º ou 3º milênio antes de Cristo – Acervo Metropolitan Museum of Art
Torii Kiyonaga (1752–1815) – Acervo Metropolitan Museum of Art
Mäda Primavesi. Gustav Klimt, (1912–13) – Acervo Metropolitan Museum of Art

Para acessar o acervo, basta clicar neste link – as imagens abertas estão identificadas pela sigla OASC logo abaixo de sua miniatura.

Fonte: El País | Revista Galileu

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS