Profeta Gentileza

Por mais de 20 anos circulou pelo Rio com sua bata branca cheia de apliques e com seu estandarte, pregava nas praças e nas barcas entre Rio e Niterói anunciando sem cansar: “Gentileza gera Gentileza”. Escreveu seus pensamentos em 56 pilastras do viaduto do Caju, na entrada da cidade. Era um andarilho que podia ser visto em qualquer bairro da cidade, das praias à mais distante periferia.

Quem foi José Datrino, o “Profeta Gentileza”?

Empresário do setor de transporte de carga em Niterói, José Datrino (1917-1996), nascido em Cafelândia, no interior paulista, tornou-se Gentileza após uma epifania à véspera do Natal de 1961. Teve a visão do que acreditou ser o fim dos tempos, vendeu todos os bens e virou pregador de rua. Costurou um manto branco, pintou nele dizeres sobre bondade e beleza, deixou a barba crescer e decidiu cruzar o país. Foi chamado de louco e tomou eletrochoque, porque repetia que “o mundo é uma escola de amor”. No viaduto do Caju, Zona Portuária do Rio, resistem, em verde, amarelo e azul, pintados sobre o concreto cinza, 56 aforismos, entre eles o de número 44, que diz: “Não pense em dinheiro. Ele é o capeta. Cega a Humanidade e leva para o abismo”.

Sua obra maior foi a pintura de 56 murais do viaduto Caju, que ele mantinha com mensagens sobre gentileza, natureza, amor, espiritualidade, males, capitalismo – contornadas pelo verde e amarelo da nossa bandeira.

Após sua morte, as mensagens foram pichadas e posteriormente apagadas pela prefeitura com tinta cinza. Graças a iniciativa de um professor universitário, organizou-se um movimento de restauração e tombamento desses murais.

Profeta Gentileza

Como tudo começou?

Quando era menino, já dizia ouvir um chamado sobre sua missão e que um dia deixaria tudo para cumprí-la. A vida na roça o ensinou a amansar burros para transporte de cargas, quando tornou-se “profeta”, era assim que se definia:

“Amansador dos burros homens da cidade que não tem esclarecimento”
Devido às visões que tinha, foi levado a médicos e curandeiros espirituais. Fugiu sem avisar para o Rio de Janeiro, onde casou-se, virou dono de uma transportadora e teve 5 filhos.

Após o incêndio em um grande circo de Niterói, em que morreram mais de 500 pessoas, José ouviu vozes pedindo que abandonasse o mundo material e se dedicasse à vida espiritual.

Pegou um dos seus caminhões e foi até o local do acidente. Em cima das cinzas do circo, fez um jardim e uma horta, e morou lá por 4 anos, consolando as pessoas entristecidas pela tragédia. Ganhou os apelidos de “José Agradecido” e “Profeta Gentileza”. Saindo do local, começou a espalhar sua mensagem pelas ruas do Rio de Janeiro.

Profeta Gentileza

Foi internado 3 vezes em hospitais psiquiátricos. Os pacientes ficavam em volta dele, ouvindo suas pregações. Um dos médicos disse que os choques eram à toa: José não era louco. Outro teria dito: “Gentileza, você veio para te curarmos ou para nos curar?”.

Quando chamado de louco, dizia: “sou maluco pra te amar, louco pra te salvar”“seja maluco mas seja como eu, maluco beleza, da natureza, das coisas divinas.”

Não aceitava esmola das pessoas: “é mais fácil um burro criar asas e avoar do que um centavo de alguém aceitar”. Ao contrário, alertava: “cobrou é traidor – o padre está esmolando, o pastor tá pastando e o Papa tá papando, papão do capeta capital”.

Profeta Gentileza

Criou um grafismo próprio, como Univvverrsso, Amorrr, Conheser e várias outras, atribuindo significado mais amplo a essas palavras. Quando acusado de não saber escrever, ele se defendia “Eu que não sei escrever ou você que não sabe ler? Conheser é de conhecer o ser, conhecer a si mesmo”.

Faleceu em 28 de Maio de 1996, em Mirandópolis-SP, aos 79 anos.

Profeta Gentileza
Profeta Gentileza
Profeta Gentileza

“A natureza não vende terra,
a natureza não cobra pra dar alimentação para nós.
Esse dia lindo,
essa luz que está em cima de nós, a nossa vida,
ou seja, vem do mundo, é de graça,
é Deus nosso Pai que dá.

Agora o capeta do homem que é o capitalismo, é que vende tudo, destrói tudo,
destruindo a própria humanidade.

Capeta vem de origem capital.
É o vil metal
Faz o diabo, demônio marginal.
Por esse motivo, a humanidade vive mal.
Mal de situação,
mau de maldade,
porque o capitalismo é falsidade,
o pranto de toda a maldade,
raiz de toda a perversidade do mundo.
É o dinheiro.

O dinheiro destrói a mente da humanidade.
O dinheiro coloca a humanidade surdo.
O dinheiro destói o amor.
O dinheiro cega.
O dinheiro mata.

Todo dia você lê jornal, ouve rádio,
televisão, só vê barbaridade:
é crime, é assalto, é sequestro, é vício, nudez, devassidão, fome e guerra.
Vai ver qual é a causa:
capitalismo.”

Profeta Gentileza – Documentário
Documentário sobre o Profeta Gentileza, um “louco de Deus” que viveu no Rio de Janeiro e pregou por todo Brasil sua mensagem anti-capitalista, ecológica, social e religiosa, cujo ponto de partida é a máxima “Gentileza gera gentileza”. O depoimento de Gentileza, sua atuação nas ruas do Rio de Janeiro e o registro de sua obra pictórica são os grandes atrativos do filme.
Direção e produção: Dado Amaral e Vinícius Reis
Montagem: Ana Teixeira
Som Direto: Paulo Ricardo Nunes
Fotografia: Estevão Ciavatta
Trilha: Boato
Ano/País: 1994, Brasil
Duração: 9 min.

Ouça a canção “Gentileza” de Gonzaguinha em homenagem ao Profeta Gentileza

Profeta Gentileza

Outras fontes de pesquisa:
:: Univvverrsso Gentileza. de Leonardo Guelman. [biografia]. Rio de Janeiro: Mundo das Ideias, 2009
:: Livro urbano do profeta gentileza. [coordenação de Leonardo Guelman, Mariana Kutasssy e Dado Amaral; projeto gráfico de Leonardo Guelman e Ingrid  Cariello; fotografia de Dado Amaral]. Rio de Janeiro: Editora Mundo das Idéias, 2011.

Fonte: nicholasgimenes |

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS