emily dickinson - daguerreotype

A uma luz evanescente
Vemos mais agudamente
Que à da candeia que fica.
Algo há na fuga silente
Que aclara a vista da gente
E aos raios afia.
.
By a departing light
We see acuter, quite,
Than by a wick that stays.
There’s something in the flight
That clarifies the sight
And decks the rays.
– Emily Dickinson – “80 Poemas de Emily Dickinson”. [tradução Jorge de Sena]. Lisboa: Edições 70, 1978.

1

Uma palavra se abre
Como um sabre —
Pode ferir homens armados
Com sílabas de farpa
Depois se cala —
Mas onde ela caiu
Quem se salvou dirá
No dia de desfile
Que algum Irmão de armas
Parou de respirar.

Aonde vá o sol sem ar —
Por onde vague o dia —
Lá está esse assalto mudo —
Lá, a sua vitória!
Observa o atirador arguto!
O tiro mais perfeito!
O alvo do Tempo
O mais sublime
É um ser “ignoto!”

.

1

There is a word
Which bears a sword
Can pierce an armed man —
It hurls its barbed syllables
And is mute again —
But where it fell
The saved will tell
On patriotic day,
Some epauletted Brother
Gave his breath away.

Wherever runs the breathless sun —
Wherever roams the day —
There is its noiseless onset —
There is its victory!
Behold the keenest marksman!
The most accomplished shot!
Time’s sublimest target
Is a soul “forgot!”

(c. 1858)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

2

Sépala, pétala e um espinho —
Nesta manhã radiosa —
Gota de orvalho — Abelhas — Brisa —
Folhas em remoinho —
Sou uma rosa!

.

2

A sepal, petal,Annotate and a thorn
Upon a common summer’s morn —
A flask of Dew — A Bee or two —
A Breeze — a caper in the trees —
And I’m a Rose!

(c. 1858)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

3

Um perde — outro ganha —
Jogadores jogados —
Lançam de novo os dados!

.

3

We lose — because we win —
Gamblers — recollecting which
Toss their dice again!(c. 1858)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

4

Se recordar fosse esquecer,
Eu não me lembraria.
Se esquecer, recordar,
Eu logo esqueceria.
Se quem perde é feliz
E contente é quem chora,
Que alegres são os dedos
Que colhem isto, Agora!

.

4

If recollecting were forgetting,
Then I remember not.
And if forgetting, recollecting,
How near I had forgot.
And if to miss, were merry,
And to mourn, were gay,
How very blithe the fingers
That gathered this, Today!(c. 1858)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

5

O Sucesso é mais doce
A quem nunca sucede.
A compreensão do néctar
Requer severa sede.

Ninguém da Hoste ignara
Que hoje desfila em Glória
Pode entender a clara
Derrota da Vitória

Como esse — moribundo —
Em cujo ouvido o escasso
Eco oco do triunfo
Passa como um fracasso!

.

5

Success is counted sweetest
By those who ne’er succeed.
To comprehend a nectar
Requires sorest need.

Not one of all the purple Host
Who took the Flag today
Can tell the definition,
So clear, of Victory!

As he, defeated — dying —
On whose forbidden ear
The distant strains of triumph
Burst agonized and clear!

(c. 1859)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

6

Nossa porção de noite —
Nossa porção de aurora —
Nossa ausência de amor —
Nossa ausência de agrura —

Uma estrela, outra estrela
Que se extravia!
Uma névoa, outra névoa,
Depois – o Dia!

.

6

Our share of night to bear —
Our share of morning —
Our blank in bliss to fill
Our blank in scorning —

Here a star, and there a star,
Some lose their way!
Here a mist, and there a mist,
Afterwards — Day!
(c. 1859)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

7

Tanto júbilo! Tanto!
Se eu errar, que pobreza!
Pobres como eu, no entanto,
Tudo arriscaram num só Lance!
Ganharam! Sim! Temendo embora —
Deste lado a Vitória!

Vida é só Vida! E Morte, Morte!
Ar é Ar, e Alegria, Alegria!
E se eu falhar, enfim,
É doce ao menos conhecer o ruim!
Perder não é mais que Perder,
Não há mais fim que o Fim!

Mas se eu ganhar! Canhões no Mar!
Sinos nas Torres, pelo ar
Ressoem lentamente!
O Céu é muito diferente
Quando sonhado; terra firme —
Poderá extinguir-me!

.

7

’Tis so much joy! ’Tis so much joy!
If I should fail, what poverty!
And yet, as poor as I,
Have ventured all upon a throw!
Have gained! Yes! Hesitated so —
This side the Victory!

Life is but Life! And Death, but Death!
Bliss is, but Bliss, and Breath but Breath!
And if indeed I fail,
At least, to know the worst, is sweet!
Defeat means nothing but Defeat,
No Drearier, can befall!

And if I gain! Oh Gun at Sea!
Oh Bells, that in the Steeples be!
At first, repeat it slow!
For Heaven is a different thing,
Conjectured, and waked sudden in —
And might extinguish me!

(c. 1860)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

8

A salvo nos seus Quartos de Alabastro —
Distantes do Festim —
Dos Sóis e do Verão —
Dormem os meigos mestres da Ressurreição —
Tetos de Pedra — Paredes de Cetim!

Grandiosos vão os Anos ao Crescente —
Os Mundos os seus Arcos circunscrevem —
E os Firmamentos — fogem —
Diademas – decaem — dobram-se — os Doges —
Gotas sem som – em um Disco de Neve —

 

8

Safe in their Alabaster Chambers —
Untouched by Morning —
And untouched by Noon —
Lie the meek members of the Resurrection —
Rafter of Satin — and Roof of Stone!

Grand go the Years — in the Crescent — above them —
Worlds scoop their Arcs —
And Firmaments — row —
Diadems — drop — and Doges – surrender —
Soundless as dots — on a Disc of Snow —

(c. 1861)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

9

Tive uma jóia nos meus dedos —
E adormeci —
Quente era o dia, tédio os ventos —
“É minha”, eu disse —

Acordo — e os meus honestos dedos
(Foi-se a Gema) censuro —
Uma saudade de Ametista
É o que eu possuo —

.

9

I held a Jewel in my fingers —
And went to sleep —
The day was warm, and winds were prosy —
I said “‘Twill keep” —

I woke — and chid my honest fingers,
The Gem was gone —
And now, an Amethyst remembrance
Is all I own —

(c. 1861)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

10

Senti um Féretro em meu Cérebro,
E Carpideiras indo e vindo
A pisar — a pisar — até eu sonhar
Meus sentidos fugindo —

E quando tudo se sentou,
O Tambor de um Ofício —
Bateu — bateu — até eu sentir
Inerte o meu Juízo

E eu os ouvi — erguida a Tampa —
Rangerem por minha Alma com
Todo o Chumbo dos pés, de novo,
E o Espaço — dobrou,

Como se os Céus fossem um Sino
E o Ser apenas um Ouvido,
E eu e o Silêncio estranha Raça
Só, naufragada, aqui —

Partiu-se a Tábua em minha Mente
E eu fui cair de Chão em Chão —
E em cada Chão achei um Mundo
E Terminei sabendo — então —

.

10

I felt a Funeral, in my Brain,
And Mourners, to and fro
Kept treading — treading — till it seemed
That Sense was breaking through —

And when they all were seated,
A Service like a Drum —
Kept beating — beating — till I thought
My Mind was going numb —

And then I heard them lift a Box
And creak across my Soul
With those same Boots of Lead, again,
Then Space — began to toll,

As all the Heavens were a Bell,
And Being, but an Ear,
And I, and Silence, some strange Race
Wrecked, solitary, here —

And then a Plank in Reason, broke,
And I dropped down, and down —
And hit a World, at every plunge,
And Finished knowing — then —

(c. 1861)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

11

Não sou Ninguém! Quem é você?
Ninguém — Também?
Então somos um par?
Não conte! Podem espalhar!

Que triste — ser— Alguém!
Que pública — a Fama —
Dizer seu nome — como a Rã —
Para as almas da Lama!

.

11

I’m Nobody! Who are you?
Are you — Nobody — too?
Then there’s a pair of us!
Don’t tell! they’d advertise — you know!

How dreary — to be — Somebody!
How public — like a Frog —
To tell one’s name — the livelong June —
To an admiring Bog!(c. 1861)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

12

Lidamos com o Joio —
Para chegar à Joia! —
Jogamos fora o Joio —
Julgando-nos ingênuos —

Mas a Forma era a mesma —
E a nova Mão bateia
Com Táticas de Gema —
Praticando Areia —

.

12

We play at paste —
Till qualified, for Pearl —
Then, drop the Paste —
And deem ourself a fool —

The shapes — though — were similar —
And our new Hands
Learned Gem-Tactics —
Practicing Sands —

(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

13

Muita Loucura faz Sentido —
A um Olho esclarecido —
Muito Sentido — é só loucura —
É a Maioria
Que decide, suprema —
Aceite — e você é são —
Objete — é perigoso —
E merece uma Algema

.

13

Much Madness is divinest Sense —
To a discerning Eye —
Much Sense — the starkest Madness —
’Tis the Majority
In this, as all, prevail —
Assent — and you are sane —
Demur — you’re straightway dangerous —
And handled with a Chain —

(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

 

14
Morri pela beleza — e assim que no Jazigo
Meu Corpo foi fechado,
Um outro Morto foi depositado
Num Túmulo contíguo —

“Por que morreu?” murmurou sua voz.
“Pela Beleza” — retruquei —
“Pois eu — pela Verdade – É o mesmo. Nós
Somos Irmãos. É uma só lei” —

E assim Parentes pela Noite, sábios —
Conversamos a Sós —
Até que o Musgo encobriu nossos lábios —
E — nomes — logo após —

.

14

I died for Beauty — but was scarce
Adjusted in the Tomb
When One who died for Truth, was lain
In an adjoining room —

He questioned softly “Why I failed”?
“For Beauty”, I replied —
“And I — for Truth — Themself are One —
We Brethren, are”, He said —

And so, as Kinsmen, met a Night —
We talked between the Rooms —
Until the Moss had reached our lips —
And covered up — our names —(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

15

Beleza — não tem causa — É —
Cace-a e ela cessa —
Não a cace e ela cresce —

Tente alcançar na Messe

As Ondas — quando o Vento
Passa os dedos por ela —
Deus do alto vela
Para negar o Intento —

.

15

Beauty — be not caused — It Is —
Chase it, and it ceases —
Chase it not, and it abides —

Overtake the Creases

In the Meadow — when the Wind
Runs his fingers thro’ it —
Deity will see to it
That You never do it —

(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

16

Algumas Borboletas há
Nos Campos do Brasil —
Voam ao meio-dia só —
Depois — cessa o Alvará —

Alguns Aromas — vêm e vão
À tua Escolha, uma só vez —
Estrelas — que à Noite entrevês —
Estranhas — de Manhã —

.

16

Some such Butterfly be seen
On Brazilian Pampas —
Just at noon — no later — Sweet —
Then — the License closes —

Some such Spice — express and pass —
Subject to Your Plucking —
As the Stars — You knew last Night —
Foreigners — This Morning —

(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

17

Eu temo a Fala escassa —
O Homem que fala Pouco —
Falastrão — é oco —
O Tagarela — passa —

Mas O que pesa — Enquanto a Turba —
Ao máximo se expande —
Esse Homem — me perturba —
Temo que seja Grande —

.

17

I fear a Man of frugal Speech —
I fear a Silent Man —
Haranguer — I can overtake
Or Babbler — entertain —

But He who weigheth — While the Rest —
Expend their furthest pound —
Of this Man — I am wary —
I fear that He is Grand — (c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

18

Prazer — vira pintura —
Se visto pela Dor —
Melhor — porque impossível
Ao fruidor —

A Montanha — à distância —
É Âmbar — um véu —
Perto — dispersa-se — a ânsia —
E Isto é — o Céu —

.

18

Delight — becomes pictorial —
When viewed through Pain —
More fair — because impossible
Than any gain —

The Mountain — at a given distance —
In Amber — lies —
Approached — the Amber flits — a little —
And That’s — the Skies —

(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

19

Banir a Mim — de Mim —
Fosse eu Capaz —
Fortim inacessível
Ao Eu Audaz —

Mas se meu Eu — Me assalta —
Como ter paz
Salvo se a Consciência
Submissa jaz?

E se ambos somos Rei
Que outro Fim
Salvo abdicar-
Me de Mim?

.

19

Me from Myself — to banish —
Had I Art —
Impregnable my Fortress
Unto All Heart —

But since Myself — assault Me —
How have I peace
Except by subjugating
Consciousness?

And since We’re mutual Monarch
How this be
Except by Abdication —
Me — of Me?(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

20

A Dor — tem Algo de Vazio —
Não sabe mais a Era
Em que veio — ou se havia
Um tempo em que não era —

Seu futuro é só Ela —
Seu Infinito faz supor
O seu Passado — que desvela
Novos Passos — de Dor.

.

20

Pain — has an Element of Blank —
It cannot recollect
When it began — or if there were
A time when it was not —

It has no Future — but itself —
Its Infinite contain
Its Past — enlightened to perceive
New Periods — of Pain.(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

21

Habito a Possibilidade —
Casa melhor que a Prosa —
De Janelas mais pródiga —
Superior — em Portas —

Cômodos como Cedros —
Impermeáveis ao Olho —
E por Eterno Teto
Os Dosséis do Céu —

De Visitantes — o mais justo —
Por Ofício — Isto —
Só as asas destas parcas Mãos
Para o meu Paraíso —

.

21

I dwell in Possibility —
A fairer House than Prose —
More numerous of Windows —
Superior — for Doors —

Of Chambers as the Cedars —
Impregnable of Eye —
And for an Everlasting Roof
The Gambrels of the Sky —

Of Visitors — the fairest —
For Occupation — This —
The spreading wide my narrow Hands
To gather Paradise —(c. 1862)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

22

Como se o Mar rompesse
Mostrando um outro Mar ―
E fosse ― um outro ― nesse
Mar ainda pré-formar ―

Mares do Mar ― que invade
As Praias singulares
De outros futuros Mares ―
Nestes ― a Eternidade ―

.

22

As if the Sea should part
And show a further Sea ―
And that ― a further ― and the There
But a presumption be ―

Of Periods of Seas ―
Unvisited of Shores ―
Themselves the Verge of Seas to be ―
Eternity ― is Those ―(c. 1863)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

23

Publicar — é o Leilão
Da nossa Mente —
Pobreza — uma razão
De algo tão deprimente

Mas Nós — antes, em Greve,
Da Mansarda ir, sem cor,
Branca — Ao Branco Criador —
Que investir — Nossa Neve —

A Ele nosso Pensamento
Pertence — a Ele Que encomenda
Sua ilustração Corpórea — a Venda
Do Real Alento —

Mercar, sim — o que emana
Do Celeste Endereço —
Sem reduzir a Alma Humana
À Desgraça do Preço —

.

23

Publication — is the Auction
Of the Mind of Man —
Poverty — be justifying
For so foul a thing

Possibly — but We — would rather
From Our Garret go
White — Unto the White Creator —
Than invest — Our Snow —

Thought belong to Him who gave it —
Then — to Him Who bear
It’s Corporeal illustration — Sell
The Royal Air —

In the Parcel — Be the Merchant
Of the Heavenly Grace —
But reduce no Human Spirit
To Disgrace of Price —(c. 1863)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

24

Não podia beber se
Você antes não bebesse,
Por mais que a antecedesse
O Pensar da Sede.

.

24

I could not drink it, Sweet,
Till You had tasted first,
Though cooler than the Water was
The Thoughtfulness of Thirst.(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

25

Corta o Ar do Ar —
Divide a Luz, se puderes —
Eles se acharão
Cubos numa Gota
Ou Grãos num Vaso
Vão
Névoas não anulam
Odores volvem
Força a Flama
E com um Louro impulso
Ante a tua impotência
Voa a Chama.

 

25

Banish Air from Air —
Divide Light if you dare —
They’ll meet
While Cubes in a Drop
Or Pellets of Shape
Fit
Films cannot annul
Odors return whole
Force Flame
And with a Blonde push
Over your impotence
Flits Steam.(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

26

Esses testaram o Horizonte —
E desapareceram
Pássaros antes de cumprir
A Latitude.

Nossa Retrospectiva Deles
Prazer pousado,
Nossa Antecipação
— Dúvida — Dado —

.

26

These tested Our Horizon —
Then disappeared
As Birds before achieving
A Latitude.

Our Retrospection of Them
A fixed Delight,
But our Anticipation
A Dice — a Doubt —
(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

 

27

Mansão malsã de Quem?
Tabernáculo ou Tumba —
Domo de um Verme —
Grota de um Gnomo —
Ou Elfo em Catacumba?

.

27

Drab Habitation of Whom?
Tabernacle or Tomb —
Or Dome of Worm —
Or Porch of Gnome —
Or some Elf’s Catacomb?

(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

28

Me oculto em minha flor,
Que fana no teu Vaso,
Sem suspeitar, sentes por mim —
Quase tristeza acaso.

.

28

I hide myself within my flower,
That, fading from your Vase,
You, unsuspecting, feel for me —
Almost a loneliness.
(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

29

A Dor — expande o Tempo —
Eras se enrolam dentro da
Circunferência
De um só Cérebro —

A Dor contrai — o Tempo —
Num mero Tiro
Milhões de Eternidades
Cabem num Suspiro —

.

29

Pain — expands the Time —
Ages coil within
The minute Circumference
Of a single Brain —

Pain contracts — the Time —
Occupied with Shot
Gamuts of Eternities
Are as they were not —
(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

30

A Morte é um Diálogo entre
A Alma e o Pó.
Diz a Morte “Some” — A Alma “Só
Me cabe ser Crente” —

A Morte — sob a Terra — clama —
Vai-se a Alma
Deixando o seu — prova cabal —
Manto de Lama.

.

30

Death is a Dialogue between
The Spirit and the Dust.
“Dissolve” says Death —The Spirit “Sir
I have another Trust” —

Death doubts it — Argues from the Ground —
The Spirit turns away
Just laying off for evidence
An Overcoat of Clay.
(c. 1864)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

31

O Abrir e o Fechar
Do Ser é igual e
Desigual, se o for,
À Flor no Caule.

Que de mesma Semente
Vão, em igual Botão,
Paralelos, perfeitos
No que já não são.

.

31

The Opening and the Close
Of Being, are alike
Or differ, if they do,
As Bloom upon a Stalk.

That from an equal Seed
Unto an equal Bud
Go parallel, perfected
In that they have decayed.
(c. 1865)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

32

Morrer por ti era pouco.
Qualquer grego o fizera.
Viver é mais difícil —
É esta a minha oferta —

Morrer é nada, nem
Mais. Porém viver importa
Morte múltipla — sem
O Alívio de estar morta.

.

32

Too scanty ’twas to die for you,
The merest Greek could that.
The living, Sweet, is costlier —
I offer even that —

The Dying, is a trifle, past,
But living, this include
The dying multifold — without
The Respite to be dead.
(c. 1865)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

33

A Geometria é a maior Magia
Para a imaginação do mago —
Cujos prodígios, meros atos,
A humanidade prestigia.

.

33

Best Witchcraft is Geometry
To the magician’s mind —
His ordinary acts are feats
To thinking of mankind.

(c. 1870)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

34

A Voz que para mim é um Mar
É para outros chã —
A Face que nasce a Manhã
Fana sob outro Olhar —

Que diferença há em Substância
Se o que me é Soma
A outras Finanças só alcance a
Pobreza Extrema!

.

34

The Voice that stands for Floods to me
Is sterile borne to some —
The Face that makes the Morning mean
Glows impotent on them —

What difference in Substance lies
That what is Sum to me
By other Financiers be deemed
Exclusive Poverty!

(c. 1871)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

35

Ruas sem som serviam
Circunscrições de Pausa —
Nem Sim — nem Não — se ouviram
Sem Universo — ou Causa —

Relógios davam Dia —
Noite — Sinos distantes —
Mas Eras não havia
E nem Depois nem Antes.

.

35

Great Streets of silence led away
To Neighborhoods of Pause —
Here was no Notice — no Dissent —
No Universe — no Laws —

By Clocks, ’twas Morning, and for Night
The Bells at Distance called —
But Epoch had no basis here
For Period exhaled.

(c. 1870)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

36

Se o meu Riacho é fluente
Há de secar —
Se o meu Riacho é silente
Ele é o Mar —

Que cresce. Em meu espanto
Tento escapar
Para um (dizem que existe) Canto
Onde “não há Mar” —

.

36

Because my Brook is fluent
I know ‘tis dry —
Because my Brook is silent
It is the Sea —

And startled at its rising
I try to flee
To where the Strong assure me
Is “no more Sea” —

(c. 1871)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

37

A palavra morre
Quando ocorre,
Se dizia.
Eu digo que ela
Se revela
Nesse dia.

.

37

A word is dead
When it is said,
Some say.
I say it just
Begins to live
That day.

(c. 1872?)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

38

O Enigma decifrado
Despreza-se com pressa —
A Surpresa de Ontem
Já não nos interessa —

.

38

The Riddle we can guess
We speedily despise —
Not anything is stale so long
As Yesterday’s surprise —

(c. 1870)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

39

Tanto orgulho em morrer
Que nos humilha. Tanta
Indiferença em ter
Tudo o que nos encanta —
Tão feliz, ao revés,
De ir aonde ninguém quis —
Que a Angústia se desdiz
Em Inveja, a teus pés —

.

39

So proud she was to die
It made us all ashamed
That what we cherished, so unknown
To her desire seemed —
So satisfied to go
Where none of us should be
Immediately — that Anguish stooped
Almost to Jealousy —

(c. 1873)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

40

Nesta Vida tão breve
De que nos dão só um gole
Quanto — quão pouco — está
Sob o nosso controle

.

40

In this short Life
that only lasts an hour
How much — how little —
is within our power(c. 1873)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

41

Ontem é História,
Mas está tão longe —
Ontem é Poesia —
É Filosofia —

Ontem é mistério —
Mas onde está Hoje?
Mal especulamos
O tempo nos foge

.

41

Yesterday is History,
‘Tis so far away —
Yesterday is Poetry —
‘Tis Philosophy —

Yesterday is mystery —
Where it is Today
While we shrewdly speculate
Flutter both away

(c. 1873)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

42

O Cogumelo — à Noite —
É o Gnomo da Floresta — e
De Dia, Trufo-Travesti,
Estaca, um Toco.

Como se lentamente
Em toda a sua Saga
Mais lento que a Serpente
Mais breve que uma Praga —

Malabar vegetal —
Gente do Álibi — tal
Uma Bolha antecede
E, Bolha, se despede —

Como se visse a Grama
Interromper sua trama —
Um sub-reptício enxerto
Do verão circunspecto.

Se a Natureza a um Traidor
Quisesse descompor —
Se Apóstata tivesse —
O Cogumelo — é esse!

.

42

The Mushroom is the Elf of Plants —
At Evening, it is not —
At Morning, in a Truffled Hut
It stop upon a Spot

As if it tarried always
And yet it’s whole Career
Is shorter than a Snake’s Delay
And fleeter than a Tare —

’Tis Vegetation’s Juggler —
The Germ of Alibi —
Doth like a Bubble antedate
And like a Bubble, hie —

I feel as if the Grass was pleased
To have it intermit —
This surreptitious scion
Of Summer’s circumspect.

Had Nature any supple Face
Or could she one contemn —
Had Nature an Apostate —
That Mushroom — it is Him!

(c. 1874)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

43

Se o lábio hábil a sílaba
Soubesse sopesar,
Poderia, surpreso,
Ruir sob seu peso.

.

43

Could mortal lip divine
The undeveloped Freight
Of a delivered syllable
‘Twould crumble with the weight.

(c. 1877)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

44

Um Vão na Pedra Tumular
Faz do feroz Lugar
Um Lar —

.

44

A Dimple in the Tomb
Makes that ferocious Room
A Home —

(c. 1880)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

§

45

A Fama é uma abelha.
Tem um estribilho —
Um ferrão em brasa —
Ah! também tem asa.

.

45

Fame is a bee.
It has a song —
It has a sting —
Ah, too, it has a wing.

(?)
– Emily Dickinson – ‘Não sou ninguém’. Poemas. [traduções Augusto de Campos]. Campinas: Unicamp, 2009.

****

TRADUÇÃO AÍLA DE OLIVEIRA

606
“Dizem, ‘com o tempo se esquece’,
Mas isto não é verdade,
Que a dor real endurece,
Como os músculos, com a idade.

O tempo é o teste da dor,
Mas não é o seu remédio –
Prove-o e, se provado for,
É que não houve moléstia.

.

606
They say that “Time assuages” –
Time never did assuage –
An actual suffering strengthens
As Sinews do, with age –

Time is a Test of Trouble –
But not a Remedy –
If such it prove, it prove too
There was no Malady –
– Emily Dickinson, em “Emily Dickinson: Uma centena de poemas”. [tradução, introdução e notas Aíla de Oliveira Gomes]. São Paulo: T. A. Queiroz; EdUSP, 1984.

§

701
“Um pensamento me veio hoje à mente
Que já antes me ocorreu.
Não o concluí; foi tempo atrás; que ano
Não lembro corretamente;

Nem para onde foi, nem porque veio
A mim por segunda vez;
Nem, em definitivo, o que ele era
Tenho a arte de dizer.

Mas – em algum canto – em minha alma – eu sei
Que já encontrei Coisa assim –
Foi só um relembrar – foi tão somente –
E já não mais veio a mim.

.

701
A Thought went up my mind today –
That I have had before –
But did not finish – some way back –
I could not fix the Year –

Nor where it went – nor why it came
The second time to me –
Nor definitely, what it was –
Have I the Art to say –

But somewhere – in my Soul – I know –
I’ve met the thing before –
It just reminded me – ‘twas all –
And came my way no more –
– Emily Dickinson, em “Emily Dickinson: Uma centena de poemas”. [tradução, introdução e notas Aíla de Oliveira Gomes]. São Paulo: T. A. Queiroz; EdUSP, 1984.

§

Saiba mais sobre Emily Dickinson:
:: Emily Dickinson – liberdade e transgressão (Biobibliografia, fortuna crítica, iconografia e afins)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Revista Prosa Verso e Arte
Literatura - Artes e fotografia - Educação - Cultura e sociedade - Saúde e bem-estar

COMENTÁRIOS